Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de agosto de 2017. Atualizado às 23h03.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Notícia da edição impressa de 11/08/2017. Alterada em 10/08 às 17h12min

Mostra Itaú Cultural 30 Anos de Cinema Brasileiro é atração em Porto Alegre

Alma corsária, de Carlos Reichenbach, encerra a programação, na próxima quarta-feira

Alma corsária, de Carlos Reichenbach, encerra a programação, na próxima quarta-feira


ITAÚ CULTURAL/DIVULGAÇÃO/JC
De sucessos de público a destaques apontados pela crítica. Até 16 de agosto, é atração em Porto Alegre - e em outras capitais - a Mostra Itaú Cultural 30 Anos de Cinema Brasileiro. A programação contempla filmes de ficção, documentários e animações produzidas ao longo das últimas três décadas - e pode ser conferida com entrada franca no Espaço Itaú de Cinemas (Túlio de Rose, 80).
Com exibições únicas, são atrações desde títulos como A dama do Cine Shangai (1987), de Guilherme de Almeida Prado, até o recente Martírio (2016), de Vincent Carelli. Conforme os organizadores, a ideia não é apontar os melhores filmes realizados neste período - mas apresentar obras representativas de movimentos estéticos e ciclos econômicos. "Vários recortes podem ser montados a partir das experiências gravadas por homens e mulheres sobre as histórias, reais ou fictícias, que marcaram época", observa Adhemar Oliveira, diretor de programação da rede Espaço Itaú e um dos curadores de mostra ao lado do Núcleo de Audiovisual e Literatura do instituto.
Nesta sexta-feira, por exemplo, há sessão do multipremiado Cidade de Deus (2002), obra que rendeu a Fernando Meirelles uma indicação ao Oscar de melhor diretor. O longa-metragem acompanha meninos crescendo em meio à violência da favela homônima, uma realidade bem diferente da retratada em Hoje eu quero voltar sozinho (2014), de Daniel Ribeiro. O trabalho destaca um jovem cego, de classe média. Ele tenta lidar com a mãe superprotetora enquanto começa a sentir novos sentimentos por um garoto novo na cidade.
Dois gaúchos têm longas-metragens na seleção. A lista inclui Alma corsária (1993), considerado um dos filmes mais pessoais do já falecido Carlos Reichenbach - com carreira ligada à chamada Boca do Lixo, de São Paulo. O outro expoente do Estado representado no programa é Jorge Furtado, com Meu tio matou um cara (2003), produção da Casa de Cinema de Porto Alegre.
Entre outros momentos do cinema nacional, o recorte também contempla produções do período conhecido como a retomada do cinema brasileiro, na metade dos anos 1990. Um exemplo da época é Sábado (1995), filme pelo qual Ugo Giorgetti ganhou prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte. A comédia destaca uma equipe de publicidade em um edifício histórico, onde nada funciona, em São Paulo.
A seleção com todos os 36 títulos escolhidos para a mostra, que começou na quinta-feira, pode ser acessada pelo site www.itaucinemas.com.br.
Quatro títulos também estão disponíveis para o público assistir em casa, gratuitamente: Anjos da noite, de Wilson Barros; Santo Forte, de Eduardo Coutinho; A negação do Brasil, de Joel Zito Araújo; e Ela volta na quinta, de André Novais Oliveira. A transmissão ocorre por streaming, no horário em que o espectador desejar, pelo site www.itaucultural.org.br/explore/canal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia