Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 03 de setembro de 2017. Atualizado às 19h23.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 04/09/2017. Alterada em 01/09 às 18h26min

Para onde a inovação vai levar as empresas?

Arnaldo Xavier
Em meio a uma chuva de novas tecnologias e conceitos que nos atingem todos os dias, é comum encontrar questionamentos do tipo: afinal, para onde a inovação vai levar as empresas? No que tange os sistemas de gestão empresarial, acredito que o grande momento da inovação não chegou ainda, porém, não é uma fase inatingível. Ao criar dentro das companhias um ambiente totalmente diferente do que temos hoje, vamos alcançar níveis de produtividades não experimentados ainda, esse é o futuro e lugar em que vamos chegar com a inovação.
Quando falamos de ERPs, muitos dos produtos que encontramos hoje no mercado foram criados há 30, 40 anos, ou seja, foram adaptados para atender companhias que viviam uma realidade e exigências totalmente diferentes do cenário de hoje e por isso os novos produtos se destacam tanto. O próximo passo a ser dado pelos sistemas de gestão empresarial é a conexão com o mundo exterior. Os softwares mais antigos não apresentam essa preocupação com todas as conexões que a empresa necessita fazer, eles mantém o foco em resolver o dia a dia da companhia apenas internamente. E o futuro exige muito mais que isso, ele traz a possibilidade de que todas essas conexões sejam automatizadas.
A importância da automatização dessa comunicação com o mundo externo às empresas não é somente um pilar para alcançar os altos níveis de produtividade e evitar perda de tempo. A partir do momento que essas atividades não são mais feitas de forma manual, a chance de erros durante o trâmite de informações é quase nula. E vale lembrar a importância dessas conexões externas, pois elas são feitas com fornecedores, clientes, bancos e até com o Fisco.
Mas não é só de sistemas que se conectam com o externo que vive o futuro. A utilização de Inteligência Artificial para promover uma interação otimizada e eficaz com o mercado. A conexão entre softwares também é uma tendência para o mundo corporativo. Sistemas que nunca se falaram antes, se conectam em questão de minutos através de APIs e essa facilidade também visa deixar as atividades cotidianas das companhias mais eficientes.
E é claro que, para receber todas essas novidades e se preparar para esse caminho a ser traçado pela inovação as empresas precisam se preparar. E é aqui que está o erro de muitas companhias. Se preparar para a transformação digital vai muito além de apenas equipar a empresa com supercomputadores ou com os sistemas mais atualizados do mercado. É preciso pensar de forma tecnológica, todo esse movimento precisa estar presente na cultura da empresa. Cabe também aos gestores guiar esse caminho junto aos demais colaboradores.
Parece difícil de acreditar, mesmo em meio ao cenário tecnológico e inovador que vivemos hoje, há empresas que ainda não se prepararam ou não estão preocupadas com a realidade que as cerca. Levando em consideração que a era tecnológica é um caminho sem volta, quanto mais tarde essas companhias se atentarem para o que está acontecendo, pior será para sua permanência no mercado. É preciso se disponibilizar a olhar o ambiente tecnológico e de competitividade que será o futuro.
E como ficam as empresas de tecnologia? Bom, antenadas por essência, elas também são responsáveis por tornar a inovação acessível às demais companhias do mercado. Cabe a elas proporcionar para essas empresas o máximo de tecnologia, entretanto, sempre condizente com o que ela consiga absorver.
Diretor comercial da Nexaas
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia