Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 22h02.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise política

Alterada em 13/07 às 22h04min

Líder do PT comemorou adiamento para agosto da votação sobre a denúncia

Segundo ele, o prazo permitirá que os deputados ouçam as suas bases antes de decidirem como vão se posicionar

Segundo ele, o prazo permitirá que os deputados ouçam as suas bases antes de decidirem como vão se posicionar


LAYCER TOMAZ/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
O líder do PT, deputado Carlos Zarattini (SP), comemorou nesta quinta-feira (13), o adiamento para agosto da votação sobre a denúncia contra o presidente Michel Temer na Câmara. Segundo ele, o prazo permitirá que os deputados ouçam as suas bases antes de decidirem como vão se posicionar.
"Nesses 15 dias o deputado vai ter a oportunidade de ter contato com a suas bases e optar entre ficar com o povo brasileiro ou ficar com as benesses do Palácio, que são cargos e emendas parlamentares distribuídas a rodo à base do governo", disse.
Após acordo entre a base e a oposição, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) marcou para o dia 2 de agosto a sessão de votação sobre o pedido de autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise a denúncia contra o presidente Michel Temer. Segundo Zarattini, o PT preferia que a votação ocorresse no primeiro domingo do mês, dia 5, mas Maia não concordou. "Mas nós conseguimos que fosse em agosto."
A oposição espera que fatos novos, como o fechamento de acordos de delação premiada por parte do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o doleiro Lúcio Funaro desgastem ainda mais o governo. Primeiro na linha sucessória, Maia pode se beneficiar desse adiamento, já que assumiria a Presidência em um eventual afastamento de Temer.
"Cada dia surgem novos fatos que pesam sobre o presidente da República e o grupo do Palácio. Então é muito importante que a gente tenha a condição de ganhar esses 15 dias para que a população possa ter conhecimento do que está de fato acontecendo e o que aconteceu", disse Zarattini."Foi uma vitória fantasiosa na CCJ. Achamos que o plenário é quem vai demonstrar o repúdio do povo brasileiro a esse governo, que a cada dia aumenta."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia