Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 23h12.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 14/07/2017. Alterada em 13/07 às 18h57min

Somando forças pelo desenvolvimento

Sérgio Turra
A defesa contundente de ideias, quando feita com respeito e diálogo, é saudável na democracia. A partir do debate e do contato com pontos de vista diferentes, reforçamos nossa capacidade de encontrar soluções para os desafios. Porém, quando o embate coloca uns contra os outros, tirando de foco a preocupação com o bem comum, temos um cenário perigoso. Isso é ainda mais verdadeiro em um momento de crise, como o que vivemos. É principalmente nestas horas que precisamos unir esforços para retomar o caminho do desenvolvimento.
Tome-se a questão do empreendedorismo. Alguns setores à esquerda pintam os empresários com cores vilanescas, como se fossem inimigos da população. É a luta de classes em sua visão mais simplória. Vimos isso na recente discussão sobre as isenções fiscais, com o argumento de que a medida retira recursos que iriam para áreas prioritárias. Ora, ocorre exatamente o contrário. As isenções são uma forma de incentivar o desenvolvimento, ajudando a atrair investimentos para o Rio Grande do Sul. É um mecanismo largamente utilizado no País, nesse inevitável quadro de guerra fiscal em que vivemos. Em um primeiro momento, temos a renúncia de tributos. Mas, a partir da geração de empregos e renda, da aquisição de equipamentos e das operações comerciais, tudo retorna ao caixa estadual na forma de arrecadação. E, assim, há mais recursos para investir em saúde, educação e segurança. A economia se movimenta, o Estado avança, e os 11 milhões de gaúchos são beneficiados.
Temos de proporcionar um ambiente favorável ao crescimento. Com menos burocracia, uma máquina pública mais enxuta e mais apoio ao empreendedor, melhorando nossa competitividade. E, sim, com isenções fiscais, desde que feitas com transparência e de forma estratégica. Sigamos defendendo nossas ideias, mas os únicos inimigos devem ser a crise e o desemprego. E, para vencê-los, temos de juntar nossas forças por um futuro melhor para os gaúchos.
Deputado estadual (PP)
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia