Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 18h43.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 12/07/2017. Alterada em 11/07 às 18h50min

É muito mais que uma secretaria

Sofia Cavedon
Desde o anúncio, pela gestão municipal, da redução de secretarias, entendemos que era necessária para potencializar recursos e melhorar a atuação da prefeitura, corrigindo distorções criadas ao longo do tempo. No entanto a proposta do prefeito atingiu uma secretaria que, com recursos modestos, montou uma grande teia social de prática de esportes, vivências de lazer e recreação na cidade.
Através da Frente Parlamentar em Defesa do Direito Social ao Esporte, Lazer e Recreação, passamos a ouvir professores/as e usuários/as, conhecer os espaços e a falta deles, saindo da invisibilidade um trabalho empolgante, envolvente, competente e entusiasmado, cuja gestão compartilhada supera a falta de recursos em manutenção e investimentos em estrutura física para práticas corporais.
Uma secretaria que acolhe demandas da infância à Terceira Idade, das pessoas com deficiência ao enfrentamento da discriminação. Uma secretaria que tira as pessoas do isolamento, da depressão, da doença; que tira as praças do abandono, da escuridão e da violência; que oportuniza as melhores técnicas de esportes, danças, culturas corporais, lutas, jogos, acessíveis somente a sócios de clubes ou pagantes de academias. Secretaria que dá oportunidade de estágio a estudantes de Educação Física, Fisioterapia e Dança, fonte de investigação e reflexão formadoras de novos profissionais. Tudo isso com menos de 0,33% da receita da prefeitura!
Então o que justifica extinguir sua estrutura e autonomia? Colocá-la junto com seis outras secretarias com políticas tão diversas? As consequências, sim, já se fazem sentir: eventos cancelados, espaços fechados por falta de manutenção, ausência de planejamento de ações, consertos, de respostas pela perda de autonomia e orçamento que garantiam a construção de políticas específicas, a busca de patrocínios e parcerias, de maneira ágil e desburocratizada. Reconsidera, prefeito! Mostra a capacidade de escuta e respeito por quem faz da cidade o lugar da cidadania e da felicidade!
Vereadora de Porto Alegre (PT)
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia