Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de julho de 2017. Atualizado às 18h43.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 12/07/2017. Alterada em 11/07 às 18h49min

É hora de fundar uma nova República

Flávio Zacher
A atual realidade brasileira é de exceção. Um período informal de exceção, em que, a todo tempo, a Constituição é rasgada, medidas põem em xeque direitos históricos e a própria soberania nacional, provas evidentes de corrupção parecem não ser suficientes para incriminar e destituir quem deveria representar os cidadãos deste País.
Medidas paliativas não serão suficientes no atual momento da política brasileira. Urge o nascimento de uma Terceira República no Brasil. Depois de uma experiência elitista com a Primeira República (1889-1930), passando pela Era Vargas (1930-1945) e com a participação popular na Experiência Democrática (1945-1964), o Regime Autoritário (1964-1985) interrompeu a marcha democrática. Com a "Constituição Cidadã" de 1988, uma nova República surgiu, a segunda na história do nosso País.
Tudo o que vem acontecendo no cenário político nos últimos anos fragilizou esta segunda República e levou o Brasil a uma crise política sem precedentes. A solução imediata para esta crise é a retomada da soberania popular, como princípio e valor fundamental da democracia. Os três passos para a construção desta terceira República seriam a saída do atual presidente, a convocação de eleições gerais e diretas, e a criação de uma Assembleia Nacional Constituinte, capaz de reunificar a sociedade em seus direitos e deveres.
Em paralelo, um quarto passo é fundamental: a reforma política, aprovada pela população a partir de um plebiscito, suspendendo do direito ao voto de parlamentares notoriamente envolvidos em atos de corrupção ou em interesses lesivos ao País. É hora de uma renovação geral, de dar espaço a brasileiros e brasileiras que nunca exerceram qualquer mandato parlamentar, honestos e com capacidade para reconduzir o Brasil ao desenvolvimento e à justiça social.
Os representantes do atual Congresso não têm condições políticas e ético-morais para deliberar sobre as mudanças que o Brasil precisa. O Brasil, mais do que nunca, precisa refundar sua história republicana e começar um novo capítulo em sua história.
Empresário (PDT)
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia