Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 09 de julho de 2017. Atualizado às 22h30.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 10/07/2017. Alterada em 09/07 às 22h26min

O desafio de ser empresário

Gerson Nunes Lopes
Gira em torno da palavra "empresário" uma visão deturpada. Há um preconceito por parte da sociedade, que nos percebe como integrantes de uma elite, que se posiciona contra empregados ou até mesmo promove a sonegação de impostos. Ser empresário neste País é vencer desafios diários impostos a todos que buscam empreender, gerar renda, oportunizar vagas de trabalho.
Independentemente do ramo de atividade, é preciso conviver com as altas cargas tributárias, burocracias que impedem o desenvolvimento de projetos de inovação, falta de amparo do Estado, até mesmo na capacitação de profissionais técnicos, entre tantas outras barreiras. Neste contexto, vivemos em um momento de incerteza política e econômica sem precedentes, aguardamos a aprovação ou não das reformas trabalhistas, previdenciária e novas alterações na Lei da Terceirização, e seguimos, com frequência, arcando com onerosos desfechos junto à Justiça do Trabalho.
O empresário precisa enfrentar rotinas intensas, enquadrar-se à extensa lista de deveres, a qual cresce a cada dia com novas regulamentações, leis, decretos, taxas e impostos, mas não pode esperar contrapartida, como segurança pública eficiente ou mesmo infraestrutura adequada nos espaços em que a sua empresa está instalada. As empresas têm arcado com obrigações que seriam da esfera pública, contratando segurança privada, oferecendo educação, investido nos bairros e nas cidades em que estão presentes. Sem contar os inúmeros projetos de integração da sociedade e sustentabilidade.
Apesar de investirmos em várias frentes, o entendimento que permanece é de que, com a penalização da classe empresária e a crise econômica, o que teremos é o desestímulo ao empreender.
Presidente do Sincopeças-RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia