Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 15 de julho de 2017. Atualizado às 13h17.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

15/07/2017 - 13h21min. Alterada em 15/07 às 13h22min

Presidente cubano condena tom mais duro adotado pelos EUA

O presidente cubano, Raúl Castro, condenou a linha mais dura adotada pelo presidente norte-americano Donald Trump nas relações com Havana, chamando-o de retrocesso, mas prometendo continuar a trabalhar para normalizar os laços entre os antigos rivais da Guerra Fria.
Os comentários de Castro à Assembleia Nacional de Cuba, feitos na sexta-feira (14), foram os primeiros a respeito do anúncio de Trump de uma reversão parcial da distensão entre Cuba e os Estados Unidos, realizada pelo antecessor norte-americano, Barack Obama.
"Qualquer estratégia que procure destruir a revolução, seja através de coerção ou pressão ou através de métodos mais sutis, falhará", disse o presidente de Cuba aos legisladores. Ele também rejeitou quaisquer "lições" sobre direitos humanos dos EUA, dizendo que seu país "tem muito para se orgulhar" sobre o assunto.
Rodeado por exilados cubano-americanos e dissidentes cubanos em Miami, Trump anunciou no mês passado que os EUA imporão novos limites aos viajantes dos EUA para a ilha e proibiria qualquer pagamento ao conglomerado ligado a militares que controlam grande parte da indústria turística cubana. O presidente norte-americano também disse que seu país ainda iria avaliar suspender essas e outras restrições somente depois que Cuba retornar fugitivos e fizer uma série de outras mudanças internas, incluindo a libertação de prisioneiros políticos, e a realização de eleições.
A política de Trump manteve elementos das reformas de Obama, mas apertou as restrições a viagens e empregou uma retórica severa sobre direitos humanos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia