Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 20h12.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

Alterada em 13/07 às 20h15min

Tribunal Supremo cria entraves no caso Odebrecht, diz procuradora da Venezuela

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, afirmou nesta quinta-feira que o Tribunal Supremo de Justiça trata de impedir que se realize a perseguição penal das pessoas envolvidas nas supostas operações irregulares da construtora brasileira Odebrecht no país.
Ortega Díaz acusou o principal tribunal do país de proferir uma sentença para "impedir" que o Ministério Público possa exercer a perseguição penal das pessoas envolvidas no caso. Além disso, afirmou que a ação contra ela e a Procuradoria Geral "atenta" contra a independência dos Ministérios Públicos da região. Ela falou por telefone na Assembleia Geral Extraordinária da Associação Ibero-americana de Ministérios Públicos (AIAMP), que ocorre em Buenos Aires.
O Tribunal Supremo abriu no mês passado processo contra a procuradora-geral, que tem enfrentado os governistas, após durante anos ser vista como ligada ao chavismo. A legislação venezuelana permite que a Procuradoria Geral cite alguém como implicado em um suposto crime, mas o Tribunal Supremo determinou que isso só deve ocorrer na presença de um juiz.
A procuradora convocou María Eugenia Baptista Díaz e Elita Zacarías Díaz a comparecer em 27 de julho ao Ministério Público, onde serão implicadas em delitos de corrupção no âmbito das investigações sobre contratos da Odebrecht. Baptista Díaz e Zacarías são a mulher e a sogra do ex-ministro de Transportes e Obras Públicas Haiman El Troudi, deputado do partido governista. Troudi qualificou o processo como uma "canalhada" e que "a justiça prevalecerá" no caso. Fonte: Associated Press.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia