Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 12h02.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

Alterada em 13/07 às 12h04min

Governo anuncia reaplicação de R$ 1,7 bilhão na saúde

O anúncio no Palácio do Planalto reuniu secretários municipais de Saúde e o presidente Michel Temer

O anúncio no Palácio do Planalto reuniu secretários municipais de Saúde e o presidente Michel Temer


BETO BARATA/PR/JC
Agência Brasil
O governo federal anunciou nesta quinta-feira (13) a reaplicação de R$ 1,7 bilhão para o custeio e o investimento em saúde, após redução de R$ 3,5 bilhões nos gastos da pasta ao longo do último ano.
Segundo o Ministério da Saúde, a redução nos gastos foi proveniente de uma renegociação de contratos da área, sobretudo os de compra de medicamentos, vacinas e insumos. O recuo médio foi de 20% nos custos das contratações.
Do valor anunciado para ser reaplicado, R$ 771,2 milhões serão utilizados no custeio da atenção básica de saúde, enquanto os R$ 1 bilhão restantes serão destinados à compra de ambulâncias e vans.
Mais de R$ 500 milhões da quantia destinada ao investimento serão repassados diretamente a 1.787 municípios, para a compra de 6,5 mil ambulâncias. O anúncio foi feito no Palácio do Planalto, em solenidade que reuniu dezenas de secretários municipais de Saúde e que contou com a presença do presidente Michel Temer.
"Para que a União seja forte, é preciso que os municípios sejam fortes... quero homenagear também o Congresso Nacional, se não fosse a ação conjunta do Congresso Nacional com o Executivo, nós não teríamos chegado onde chegamos", disse o presidente. "Estamos, em 14 meses, fazendo o que se faria em 4, 5 ou 6 anos. Imagina o que faremos com mais um ano e meio", acrescentou.
Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, o presidente liberou até o momento mais de R$ 6,2 bilhões em emendas parlamentares destinadas à área. "O presidente nos tem permitido contrariar interesses para prestar um melhor atendimento de saúde ao povo brasileiro", disse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia