Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 19h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 17/07 às 19h26min

Governo dos EUA divulga parâmetros para renegociação do Nafta

O governo de Donald Trump divulgou há pouco uma série de parâmetros para a renegociação do Nafta (Tratado norte-americano de Livre Comércio) que lista novas diretrizes para diferentes áreas da balança comercial dos Estados Unidos, inclusive comércio digital, serviços e câmbio. No dia 18 de maio, quando Trump notificou o Congresso sobre a pretensão de revisar o acordo, foi estabelecido que o governo americano começaria as conversas com o Canadá e o México dali 90 dias, ou seja, dentro de um mês.
Sob a justificativa de que "os EUA de quando o Nafta foi assinado não são os mesmos EUA de hoje", o texto promete a implementação de "mecanismos seguros" para evitar impostos aduaneiros sobre produtos digitais, como softwares, músicas, vídeos e e-books. Também está prevista a garantia de que tais produtos não enfrentarão discriminação dos governos dos países do tratado em forma de sanções.
Entre as intenções do novo tratado está a eliminação do capítulo 19 do Nafta, que dispõe sobre políticas antidumping. A ideia é preservar a capacidade dos EUA de reforçar rigorosamente suas leis de comércio.
Além disso, o documento cita um "mecanismo apropriado" que garanta a prevenção de manipulação cambial para evitar que algum país obtenha vantagem competitiva injusta. O texto, no entanto, não detalha sobre como esse mecanismo funcionaria.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia