Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 16h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

17/07/2017 - 15h31min. Alterada em 17/07 às 16h35min

Brasil abriu 9.821 vagas de emprego formal em junho, em terceiro resultado positivo seguido

Rio Grande do Sul fechou mais de 9,5 mil vagas no mês passado

Rio Grande do Sul fechou mais de 9,5 mil vagas no mês passado


FLAVIA DE QUADROS/ARQUIVO/JC
O Brasil abriu 9.821 vagas de emprego formal em junho, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta segunda-feira, pelo Ministério do Trabalho. O resultado decorre de 1.181.930 admissões e 1.172.109 demissões. A geração líquida de 9.821 vagas de emprego em junho foi o primeiro resultado positivo para o mês desde 2014 e o terceiro resultado positivo seguido.
No acumulado do primeiro semestre de 2017, há uma abertura de 67.358 postos de trabalho com carteira assinada. Nos 12 meses até junho, há fechamento de 749.060 vagas.
O resultado mensal foi puxado pela agropecuária, que gerou sozinha 36.827 postos formais em junho. Em seguida, teve desempenho positivo o setor de administração pública, com geração de 704 vagas.
Por outro lado, tiveram saldo negativo comércio (-2.747 postos), construção civil (-8.963 vagas), indústria extrativa mineral (-183 postos), serviços industriais de utilidade pública (-657 postos), indústria de transformação (-7,887 postos), comércio (-2.747 postos) e serviços (-7.273 postos).
Na contramão, Estado gaúcho fechou mais de 9,5 mil vagas
No mês passado, o Rio Grande do Sul registrou variação negativa no número de novos empregos, com queda de 0,37% na quantidade de vagas no Estado, saldo de corte de 9.513 empregos. No acumulado do ano, ainda assim, a variação é positiva em 0,04% - quase estável - com 1.107 novos empregos.
Os setores que mais cortaram vagas no período foram a Indústria (-0,45%, com queda de 3.007 vagas) e a Agropecuária (-2,74%, com o fim de 2.432 posições).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia