Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 09h32.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/07/2017 - 08h21min. Alterada em 17/07 às 09h33min

Bolsas da Ásia fecham sem direção única, apesar de PIB chinês acima do esperado

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção única nesta segunda-feira (17), com as da China registrando perdas, apesar de o Produto Interno Bruto (PIB) da segunda maior economia do mundo ter superado as expectativas no último trimestre.
O índice Xangai Composto encerrou o pregão em baixa de 1,43%, a 3.176,46 pontos, enquanto o Shenzhen Composto teve queda bem mais expressiva, de 4,28%, a 1.800,54 pontos.
Os mercados chineses foram pressionados por um tombo em ações de pequenas empresas, após uma conferência financeira concluída no fim de semana sinalizar que Pequim está determinada a reforçar seu controle da economia. Formuladores de política presentes ao evento, que é realizado a cada cinco anos, mencionaram "risco" 31 vezes e "regulação" 28 vezes durante a conferência, segundo Jack Siu, estrategista de investimento do Credit Suisse para a região asiática e do Pacífico.
Além disso, o sentimento na China foi afetado por uma série de alertas negativos de lucros de empresas com baixa capitalização.
Quase 500 ações atingiram o limite de desvalorização diário de 10% nas bolsas chinesas hoje, o maior volume desde 25 de fevereiro de 2016, de acordo com a Wind Information.
Diante do clima negativo, ficou em segundo plano o fato de o PIB chinês ter crescido 6,9% na comparação anual do segundo trimestre, segundo dados oficiais publicados no fim da noite de ontem, ultrapassando a previsão de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, de acréscimo de 6,8%.
Também foi ignorada uma injeção líquida de 140 bilhões de yuans (US$ 20,68 bilhões) que o Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) fez hoje no mercado interbancário, a maior desde 6 de junho.
Em outras partes da Ásia, porém, o PIB chinês ajudou a garantir ganhos nos negócios de hoje. O Hang Seng avançou 0,31% em Hong Kong, a 26.470,58 pontos, enquanto o Taiex mostrou leve alta de 0,13% em Taiwan, a 10.457,54 pontos, o sul-coreano Kospi subiu 0,43% em Seul, a 2.425,10 pontos, e o filipino PSEi apresentou valorização de 0,62% em Manila, a 7.934,50 pontos. No Japão, a Bolsa de Tóquio não operou devido a um feriado nacional.
Na Oceania, o mercado australiano foi influenciado por uma queda em ações de telecomunicações e do setor financeiro, que anulou o bom desempenho de mineradoras. O S&P/ASX 200 caiu 0,17% em Sydney, a 5.755,50 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia