Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 16 de julho de 2017. Atualizado às 22h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Notícia da edição impressa de 17/07/2017. Alterada em 16/07 às 18h01min

Financiamentos de carros registram alta neste ano

Na Panambra, representante da Volkswagen, 61% das vendas em junho foram feitas por meio de crédito

Na Panambra, representante da Volkswagen, 61% das vendas em junho foram feitas por meio de crédito


MARCO QUINTANA/MARCO QUINTANA/JC
Tatiana Prunes
De acordo com dados levantados pela B3 - empresa resultante da fusão entre BM&FBovespa e Cetip - a venda de veículos através de financiamento, entre novos e usados, avançou 7,4% no primeiro semestre do ano, sobre o mesmo intervalo de 2016, encerrando com a comercialização de 2.425.796 unidades, entre carros leves, motos e pesados. É o segundo crescimento nesse tipo de comparação - em maio, a alta foi de 10,1%, a primeira desde fevereiro de 2014.
Os veículos usados lideram a modalidade de compra financiada. O volume de vendas cresceu 14,6% de janeiro a junho deste ano.
Em junho, houve crescimento de 6,9% nas vendas total a crédito em comparação com o mesmo mês do ano passado. Já em relação a maio de 2017, foi registrada queda de 5,8%.
Fontes do mercado apontam uma série de fatores como responsáveis pela confiança que levou tantos consumidores a contraírem uma dívida adquirindo um carro através de financiamento, e que inflaram os números de vendas nesta categoria nos últimos meses. Entre os fatores estão a liberação do saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), os sinais de melhora na economia, a queda nos juros e uma "esperada estabilização política". De qualquer forma, a recomendação de especialistas da área é que os consumidores tenham prudência, porque o momento ainda é de cautela.
Ainda que se considere que os bancos e financeiras criem, de alguma maneira, obstáculos para o acesso ao crédito, a Panambra, revenda da Volkswagen, registrou 61% do total dos veículos comercializados em junho por acesso ao crédito. Dessa forma, os financiamentos na concessionária tiveram aumento de 7% sobre o mesmo mês de 2016.
"Hoje, a análise para liberar um financiamento é bem complexa, envolve histórico, experiência, capacidade de endividamento, ou seja, todos os recursos para se chegar no score do cliente", comenta a gerente de vendas da Panambra, Magda Carvalho.
De acordo com a executiva, as taxas flutuam entre 0% e 2,4% ao mês, dependendo da entrada e do prazo. A necessidade crescente de mobilidade, no entanto, incentiva as compras, muitas vezes para negócios como Uber e Cabify. O aumento das vendas no segundo semestre dependenderá da estratégia de cada concessionária.
"Acreditamos na confiança do consumidor e em uma flexibilidade por parte do sistema financeiro que, apesar de conviverem com a inadimplência, venham a proporcionar atrativos e perspectivas a médio e longo prazo para o nosso público", afirma Magda.
 

Concessionária dribla oscilação do mercado com programa de fidelização

Ciclo Toyota ajuda nos negócios feitos pela CarHouse em Porto Alegre

Ciclo Toyota ajuda nos negócios feitos pela CarHouse em Porto Alegre


FREDY VIEIRA/FREDY VIEIRA/JC
O resultado do aumento das vendas através de financiamento, na CarHouse, está mais ligado ao programa Ciclo Toyota do que ao comportamento do mercado. Esse programa é um financiamento direto ao consumidor, feito pelo Banco Toyota, que estimula a fidelização do cliente.
"Não observamos um aumento de forma tão expressiva. Temos um programa somente para o carro zero, que é o Ciclo Toyota. O efeito de crescimento da comercialização sob a configuração de financiamento bancário tem relação estreita com o programa, que, naturalmente, faz os negócios acontecerem, pois apresenta muitas vantagens", afirma o gerente-geral da CarHouse, Ricardo Rocco.
Do total de emplacamentos da CarHouse, os financiados representam 40%, e, desse montante, 20% são realizados por conta do Ciclo Toyota. A modalidade é flexível na escolha do prazo, e esse é o grande motivador do financiamento dos carros do grupo.
Quanto às expectativas para os próximos seis meses é que se mantenha o que historicamente acontece. "Sazonalmente, o segundo semestre é sempre melhor para o mercado de automóveis, apresentando uma grande procura, e, para a Toyota, esperamos que não seja diferente", aponta Rocco.

Revenda da Fiat comemora aumento de resultados

Na San Marino, houve crescimento nas vendas sob a forma de financiamento nos meses de maio e junho, se comparado com abril deste ano. "A comercialização só não está melhor pela recusa dos bancos em financiar a aquisição de veículos", lamenta o gerente de vendas de novos e seminovos da concessionária da Fiat, Nélio Azeredo dos Santos.
Conforme o gerente da San Marino, a quantidade de contratos bancários na empresa não aumentou, mas houve um crescimento de 10% no faturamento, gerado por financiamentos de maior valor. "Os bancos fazem uma análise muito minuciosa e rigorosa da vida pregressa do cliente. Se a pessoa já esteve na Serasa ou tenha efetuado pagamentos de dívidas com atraso, já gera um empecilho, e o banco não libera", reforça Santos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia