Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 15h57.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 13/07 às 16h00min

Ouro fecha em queda em Nova Iorque, após Yellen dizer que inflação deve ganhar impulso

O ouro chegou a operar em alta, mas firmou-se em território negativo após a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Janet Yellen, avaliar que uma recente desaceleração inflacionária nos Estados Unidos não deve durar muito tempo.
O ouro para entrega em setembro fechou em queda de US$ 1,80 (0,15%), a US$ 1.217,30 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
Durante depoimento ao Comitê Bancário do Senado, Yellen afirmou que o mercado de trabalho mais forte e o aumento nos preços de produtos importados apoiam a expectativa dela de que a inflação ganhe força no futuro.
Os preços ao consumidor em alta podem dar ao banco central americano espaço para elevar os juros, o que tende a pressionar o ouro, já que o metal compete com investimentos que rendem retornos quando os juros sobem.
Os juros mais altos tendem a pressionar o ouro. Por outro lado, a demanda pode ser apoiada pelas incertezas políticas e pela possível volta da maior volatilidade nos mercados financeiros, segundo analistas do National Australia Bank. Eles esperam que o contrato termine 2017 em US$ 1.235 a onça-troy. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia