Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de julho de 2017. Atualizado às 08h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Inovação

Notícia da edição impressa de 10/07/2017. Alterada em 10/07 às 08h06min

App transforma celular em sistema de som poderoso

Archambault espera superar cinco milhões de usuários no mundo, contando com a adesão dos brasileiros

Archambault espera superar cinco milhões de usuários no mundo, contando com a adesão dos brasileiros


AMPME/AMPME/DIVULGAÇÃO/JC
Patricia Knebel
Um certo dia, o empreendedor Martin-Luc Archambault estava em uma festa com um amigo em Whistler, na província canadense de Columbia Britânica, e se deparou com uma situação inusitada: faltava um sistema de som no local.
Foram diversas tentativas para tentar solucionar o problema - até mesmo colocar o celular dentro de um copo para aumentar o volume da música eles tentaram. Foi o que bastou para ele ter uma ideia: desenvolver um aplicativo que permitisse aos usuários reproduzir música em sincronia perfeita unindo vários dispositivos e, assim, criar um sistema de som no próprio aparelho celular.
Assim nasceu o AmpMe (www.ampme.com). "A grande inovação do aplicativo é conectar e sincronizar diversos aparelhos móveis, como celulares e tablets, para tocar a mesma música no mesmo momento, amplificando assim o som para um ambiente ou festa", explica.
O app permite que vários usuários se conectem a uma mesma playlist, hospedada na biblioteca de mídia dos smartphones ou em outras plataformas de serviços por streaming, como YouTube, Spotify e Soundcloud. Os aparelhos são sincronizados e, com isso, criam uma rede de alto-falantes mais potentes, que podem ser espalhados por um mesmo ambiente.
Compatível com Android e iOS, a ferramenta pode conectar qualquer marca de alto-falante Bluetooth. "Não há nenhum competidor fazendo o que estamos fazendo. Somos o primeiro e único", acrescenta o empreendedor canadense.
A empresa está presente em 144 países e conta com a sua operação no Brasil para superar os 5 milhões de usuários ao redor do mundo. A expectativa é que mais de 500 mil brasileiros sincronizem seus smartphones e compartilhem música pelo app. De acordo com o gestor, o Brasil está entre os cinco maiores mercados da empresa - e ele faz a ressalva de que ainda não foi feita nenhuma ação maior de divulgação do serviço.
"Estamos intensificando nossos esforços para aprender cada vez mais sobre o País", relata. O público-alvo são os jovens entre 16 e 30 anos, mas a empresa espera adicionar outros usuários que são adeptos de novas tecnologias e gostariam de compartilhar músicas nos parques, praias, festas e outras situações de lazer.
A startup está em ritmo acelerado para incorporar novas funcionalidades para o público brasileiro. Uma das ideias é facilitar a criação de um Hotspot pessoal pelo celular, sem que seja necessário usar internet. "O app já permite você sincronizar músicas sem o uso da internet, mas não é muito fácil para quem não é muito experiente em tecnologia. Por isso, esperamos lançar em breve uma solução mais fácil", comenta.
Além disto, está no plano a adição de novas ferramentas que permitam aos usuários se juntar a festas ao redor do mundo, e talvez criar um ranking global de DJs.
No Canadá, país de origem, o app é o segundo mais baixado nas lojas virtuais e, recentemente, reuniu mais de 22 mil pessoas no Centro de Montreal, sede da empresa, para comemorar os 375 anos da cidade. Na ocasião, mais de 12 mil pessoas sincronizaram o app para compartilhar o som do DJ.
"A grande ideia do AmpMe é ser um aplicativo virtual, mas também conectar as pessoas no mundo real. A tecnologia têm sido criticada por isolar as pessoas. Nós fazemos o oposto, na medida em que juntamos as pessoas no mundo real por meio da música", conta Archambault.
A empresa foi fundada em 2015 e já recebeu mais de US$ 10 milhões em investimentos de fundos como Relay Ventures, Investissement Québec, Slaight Music, Omers Ventures, entre outros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia