Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de julho de 2017. Atualizado às 16h52.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 13/07/2017. Alterada em 12/07 às 21h40min

Orientações

Os bispos do estado do Rio Grande do Sul, que compõem o Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), reunidos entre os dias 6 e 9 de junho, em São Leopoldo, para sua assembleia anual, decidiram apresentar algumas orientações ao povo de Deus de nossas comunidades a respeito de contribuições na Igreja Católica.
Tais orientações visam esclarecer às pessoas que são procuradas com solicitações de auxílio financeiro para entidades religiosas que não possuem sede nas Dioceses do Rio Grande do Sul. Confira a íntegra das orientações:
"Nós, bispos do Rio Grande do Sul, reunidos no Conselho Episcopal Regional, propomos algumas orientações ao povo de Deus de nossas comunidades sobre contribuições para a manutenção da Igreja, diante de várias solicitações que nossos fiéis recebem de diversos lugares e instituições.
Pelo batismo, todo fiel é acolhido numa comunidade de fé e a ela pertence. Como discípulo missionário, sente-se comprometido pela vida e missão da sua comunidade e Diocese. Para que a Igreja possa exercer sua missão, conta com a partilha e a solidariedade dos seus membros através do dízimo, coletas e outras formas de contribuição.
O dízimo é considerado uma contribuição do fiel para o sustento da comunidade. É uma expressão de sua gratidão a Deus, corresponsabilidade com a Igreja, atenção aos necessitados e sensibilidade missionária. A Igreja local é o lugar principal onde o fiel é chamado a contribuir, pois nela vive todo processo de iniciação à vida cristã, celebra os sacramentos e é assistido pelos padres e outros agentes de pastoral. Ela tem a responsabilidade de formar os membros da comunidade, sobretudo os ministros ordenados e leigos comprometidos com a evangelização. Também tem a obrigação com a manutenção dos bens que estão a serviço do povo de Deus: dioceses, paróquias, seminários, centros de pastoral etc. Por isso, cada batizado é chamado a contribuir com o dízimo na sua comunidade, onde vive e celebra a sua fé.
Além do dízimo, existem as coletas que são previstas anualmente, como forma de participação em sentido eclesial mais amplo: Coleta da Solidariedade - CF; Coleta para Terra Santa; Coleta de Pentecostes; Óbolo de São Pedro; Coleta Missionária e Coleta da Evangelização. Também algumas dioceses organizam coletas próprias para necessidades específicas, como para as vocações sacerdotais.
Para os fiéis que, além disso, têm condições de contribuir para outras instituições e lugares, deixamos estas orientações: a) o sentido de pertença à comunidade pede que a prioridade seja com a Igreja local e, somente depois disto, partilhar com solicitações que vem de fora da Diocese; b) ao receber pedidos, através de visitas domiciliares, meios de comunicação, revistas, boletos bancários etc., é importante ter critérios sobre sua destinação. O senso de partilha do povo de Deus é louvável, desde que não se omita o compromisso com a Igreja local.
Que Maria, Mãe de Deus e da Igreja, nos ensine o caminho da comunhão com seu Filho Jesus Cristo e a partilha com os irmãos e as irmãs".
As orientações oferecidas destacam a dignidade e a importância da comunidade eclesial local. É importante que cada comunidade eclesial tenha um Conselho de Assuntos Econômicos. Esse Conselho deve ser constituído por pessoas engajadas na comunidade. Ele tem a missão de administrar, de forma eficiente e transparente, os bens da própria comunidade, em vista da obra da evangelização.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 14/07/2017 15h12min
DÍZIMO X MENSALIDADE SOCIAL !!!nnQuero iniciar este texto definindo que DÍZIMO é BÍBLICO, MENSALIDADE SOCIAL é através de um ESTATUTO ENTRE SÓCIOS, e DOAÇÕES PARTIDÁRIAS GERAM CPI. Cada um na sua fé e responsabilidade para poder usufruir, ajudar sua Igreja ou seu time do coração ser mais forte para continuar vencendo sem ter prejuízos causados pelos seus inadimplentes sócios. Confesso que já fui mensalista de uma biblioteca espírita e através deste investimento de R$15,00 por mês pude ter acesso aos mais de 220 livros que li nesta área. Hoje através da BÍBLIA SAGRADA, tenho os maiores livros da vida de graça dentro do meu lar. AMÉM. Também já fui mensalista do ESPORTE CLUBE SÃO JOSÉ, AMOVI, TERESÓPOLIS TÊNIS CLUBE, AMOVAL, para poder usufruir juntamente com minha família das suas áreas sociais e de lazeres. Hoje estou conhecendo um caminho religioso diferente de tudo que vi e participei, e através dos ensinamentos sempre que possível é tocado neste tema. O irmão para ser aceito da Igreja que escolheu para congregar, precisa estar dentro das regras bíblicas. Caso ele ainda não adquiriu esta condição vai ficando de escanteio pelo fato do seu envelope não aparecer na contabilidade. Quando procurei a Igreja, não foi porque estava passando por dificuldades familiares, pessoais, clínicas, mentais, financeiras, sociais, mas sim para compartilhar com os irmãos, todos os presentes que DEUS tem enviado para mim através dos 40 louvores que compusemos até esta data. Hoje já estou convertido, batizado e passei a ser membro. Nunca fui um político de carteirinha eleitoral, marginal, ladrão, drogado, bêbado, pedófilo, assassino, ou um andarilho perdido e sem rumo junto a nossa humanidade. Muitas pessoas dão enormes contribuições de forma anônimas por que não fazem questão de aparecer. Eu atualmente estou neste grupo de irmão que não faz questão de ver seu nome sendo exaltado ou julgado. É como aquele ensinamento: O QUE A MÃO ESQUERDA DÁ, A DIREITA NÃO PRECISA SABER. Agora na questão de ser DIZIMISTA tem dois lados. O irmão pode ganhar um salário-mínimo ou muitos salários, fazer somente o que é bíblico, ou seja, devolver 10% para a obra do Senhor; para ajudar pagar a luz, água, flores, ceias, aluguel do prédio da Igreja entre outras despesas que não temos acesso, mas se eu não trabalhar com afinco, este dinheiro não chegará às minhas honradas mãos... O irmão que não é dizimista por algumas razões burocráticas da lei da vida, mas freqüenta a Igreja de forma assídua, muitas vezes está mais presente com os acontecimentos dela, em relação a quem é dizimista e aparece somente na ceia. O que é melhor para a obra do senhor? Confesso que gostaria de fazer muito mais para ajudar a Obra do meu Grandioso Deus. Quem sabe um dia, serei abençoado dentro do ramo de vendedor de materiais elétricos, para vender muito mais e poder fazer isto sem causar problemas no orçamento doméstico. Dependo de vendas e comissões. Quando não consigo atingir a meta da cota, não tem comissões. Somente recebo o salário que não cobre o Aluguel, Luz, Água, Telefone, Rancho, etc. Amém para nós todos. Abs. Dorian Bueno Google+Plus, POA, 14.07.2017n n n n n