Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de julho de 2017. Atualizado às 22h37.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

MEMÓRIA

Notícia da edição impressa de 18/07/2017. Alterada em 17/07 às 17h41min

Acervo precioso: Margs chega aos 63 anos e comemora com atividades

Margs chega aos 63 anos como um dos principais museus do Estado

Margs chega aos 63 anos como um dos principais museus do Estado


RAUL HOLTZ/DIVULGAÇÃO/JC
Um dos mais importantes centros culturais gaúchos, o Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli (Margs) comemora 63 anos com uma série de atividades hoje. Já a Associação de Amigos do museu (Aamargs) completa 35 anos de atuação em apoio ao museu. As festividades se iniciam às 12h, com almoço por adesão no Bistrô do Margs; às 15h, ocorre um momento musical no foyer, seguido, às 16h, de bate-papo no evento Conversas no Museu.
O tema abordado será O fazer artístico, esculturas, fotografias e desenho, com os palestrantes José Francisco Alves, curador e doutor em História da Arte; Gustavot Diaz, artista visual; e Vera Carlotto, artista e fotógrafa. As comemorações se encerram às 18h, com uma confraternização no Café do Margs. Com exceção do almoço, todas as atividades são gratuitas.
O museu foi criado em 1954, pelo governo estadual, com o objetivo de preservar e divulgar o patrimônio artístico do Rio Grande do Sul. Em julho de 1957, foi oficialmente aberta a sala de exposição na sede provisória, instalada no foyer do Theatro São Pedro, onde permaneceu por 16 anos. Ado Malagoli, seu primeiro diretor, organizou a instituição e fez as primeiras aquisições de obras de arte para o acervo.
Entre 1974 e 1978, o Margs ocupou uma sala no edifício 235 da avenida Senador Salgado Filho, transferindo-se, então, para sua sede definitiva, na Praça da Alfândega, no Centro Histórico de Porto Alegre.
Em 1997, a instituição foi totalmente restaurada e adaptada para armazenar seu acervo e acolher exposições com as modernas técnicas de museologia. Atualmente dirigido por Paulo Amaral, o museu tem um acervo com mais de 3.800 obras de arte, com peças do século XIX até os dias atuais.
A coleção abrange diferentes linguagens das artes visuais, como pintura, escultura, gravura, cerâmica, desenho, arte têxtil, fotografia, instalação, performance, arte digital e design, entre outros. O acervo é composto por arte brasileira, com ênfase na produção de artistas gaúchos. O Margs funciona de terças-feiras a domingos, das 10h às 19h, sempre com entrada gratuita.

Os amigos

A Associação de Amigos do Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli é muito atuante e presente no dia a dia do museu. Foi fundada em 15 julho de 1982 e consiste em uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e duração por tempo indeterminado. O apoio da entidade é vital para o funcionamento do museu e é o instrumento que permite ao Margs manter-se com excelência na conservação e difusão da cultura.
A associação promove acordos, parcerias e eventos, como cursos, congressos, seminários, debates, conferências e outras atividades. Os cursos que estão em andamento e todas as informações podem ser obtidas no site do Margs, através do link http://www.margs.rs.gov.br/aamargs/#cursos-e-eventos.

Riqueza arquitetônica

Construído em 1913 para receber a Delegacia do Ministério da Fazenda, o prédio que hoje abriga o Margs é de autoria do arquiteto alemão Theo Wedersphan. Os ornamentos foram executados pela oficina de esculturas de João Vicente Friedrichs, tendo como ornamentistas Victório Livi e Franz Rademacker.
Alfredo Adlof foi o escultor responsável pelas figuras. Em 1983, o prédio foi considerado de interesse público por seu valor histórico-arquitetônico, passando a integrar o patrimônio cultural do Estado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia