Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 13 de julho de 2017. Atualizado às 23h12.

Jornal do Comércio

Automotor

COMENTAR | CORRIGIR

Internacional

Notícia da edição impressa de 14/07/2017. Alterada em 13/07 às 20h57min

Novo A8 assume vanguarda tecnológica da Audi

Suspensão é ativa, capaz de elevar ou baixar cada roda individualmente

Suspensão é ativa, capaz de elevar ou baixar cada roda individualmente


AUDI/DIVULGAÇÃO/JC
Em sua quarta geração, o sofisticado modelo se torna novamente uma referência da marca em tecnologia, adotando um inovador conceito operacional interativo. O A8 também será o primeiro automóvel com condução autônoma nível 3 produzido em série: a partir de 2018, a Audi incluirá, paulatinamente, funções de condução pilotada no veículo.
Além de tudo isso, o A8 apresenta uma nova linguagem de design. Sua parte frontal, com a grade ampla, e a carroceria fluida e musculosa simbolizam elegância e esportividade.
A imponência é acentuada pelas dimensões externas: a versão standard mede 5,17 metros de comprimento - a Audi também disponibilizará uma configuração "longa" (A8 L), com entre-eixos 13 centímetros maior.
Suntuoso e espaçoso, o ambiente interno do novo A8 oferece detalhes personalizados, como perfurações nos estofamentos dos assentos e persianas abertas e fechadas eletricamente nas saídas de ar. O visual da cabine é minimalista, com arquitetura horizontal.
O conceito operacional inédito praticamente elimina os botões do painel de instrumentos. Na sua área central, há uma tela sensível ao toque de 10.1 polegadas que, quando desligada, se "funde" com a peça em preto brilhante que a emoldura. O A8 também poderá se engajar em diálogos com o motorista, que conseguirá acionar uma ampla gama de funções no automóvel usando uma forma nova e mais natural de controle por voz.
A condução autônoma nível 3 que a Audi implementará no A8 possibilitará que o veículo assuma o controle da condução quando o trânsito está lento, até 60 km/h, em rodovias nas quais uma barreira física separa as duas faixas da pista. O assistente de trânsito gerencia partida, aceleração, direção e frenagem.
Com isso, o motorista não precisará mais monitorar o carro permanentemente. Ele poderá retirar as mãos do volante e, dependendo das leis nacionais, focar uma atividade diferente disponível no automóvel, como assistir TV, por exemplo. Assim que o sistema alcançar seus limites, convocará o usuário a retomar o controle da condução.
A introdução do assistente de trânsito da Audi respeitará as regulações de cada mercado, assim como procedimentos de homologação. Por causa disso, a marca fará a instalação gradual do recurso nos modelos em produção.
Já o assistente de estacionamento remoto será capaz de tirar ou colocar o A8 em uma vaga de estacionamento ou garagem, sem que o motorista sequer precise estar dentro do carro. O usuário acionará o sistema a partir de um smartphone, monitorando a manobra em uma imagem ao vivo transmitida ao seu dispositivo pelas câmeras de 360 graus do veículo.
O novo Audi A8 será lançado inicialmente no mercado alemão, contando com dois motores turbo V6 totalmente reformulados: um 3.0 TDI a diesel e um 3.0 TFSI a gasolina. O primeiro gera 286 cv de potência, enquanto o segundo, 340 cv. Duas versões de oito cilindros - um 4.0 TDI de 435 cv e um 4.0 TFSI de 460 cv - virão logo a seguir. O top de linha utilizará um propulsor de 12 cilindros e 6.0 litros.
O A8 L e-tron quattro, equipado com uma unidade de tração híbrida, será lançado posteriormente. Seu motor 3.0 TFSI e o propulsor elétrico somam forças para entregar 449 cv de potência e 700 Nm de torque. A bateria de íon de lítio armazenará energia suficiente para cerca de 50 quilômetros de condução 100% elétrica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia