Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de junho de 2017. Atualizado às 22h18.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

crise política

Notícia da edição impressa de 19/06/2017. Alterada em 18/06 às 20h56min

Partido dos Trabalhadores 'institucionalizou' a corrupção, avalia empresário Joesley Batista

Joesley Batista também diz na entrevista que o PT "institucionalizou" a corrupção no Brasil. Em nota, a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirma que as declarações de Joesley têm que ser entendidas no contexto de um empresário que "negocia o mais generoso acordo de delação premiada da história". Segundo a nota, Batista foi "incapaz de apontar qualquer ilegalidade cometida, conversada ou de conhecimento do ex-presidente Lula".
Após a divulgação da entrevista de Joesley Batista, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) voltou a defender o impeachment do presidente Michel Temer.
"A OAB fez uma análise técnico-jurídica e já concluiu pela necessidade de impeachment do presidente Michel Temer. Assim como no ano passado, quando a OAB pediu o impeachment de Dilma Rousseff (PT), estão presentes, mais uma vez, os elementos que configuram crime de responsabilidade", diz nota assinada pelo presidente da entidade, Claudio Lamachia.
No mês passado, o STF divulgou áudio do encontro de Joesley com Temer, ocorrido em março, depois de homologar acordo de delação premiado firmada entre o empresário e a Procuradoria-Geral da República (PGR). Na gravação, feita por Joesley, os dois conversam sobre o cenário político, os avanços na economia e também citam a situação de Eduardo Cunha, preso na Operação Lava Jato.
O empresário descreveu esquemas de corrupção que envolvem tanto a esfera federal quanto estadual. Com base na delação, o ministro do STF Edson Fachin autorizou a abertura de inquérito para investigar denúncias que envolvem o presidente Temer.
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia