Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de junho de 2017. Atualizado às 22h18.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 19/06/2017. Alterada em 18/06 às 19h41min

Esqueçam os livros

Léo Ustárroz
Há alguns anos, Porto Alegre lançou o projeto "Estante Pública", que incentivava a troca de livros em paradas de ônibus. Entre os motivos da descontinuidade estão desde a baixa adesão de doadores, até a coleta daqueles livros para comercializá-los como papel. Tal projeto alinhava-se ao "bookcrossing", surgido nos EUA em 2001, consistindo na prática de deixar um livro em local público para ser encontrado e lido por outros leitores, que replicariam a ação. Através desse compartilhamento, o acesso à leitura seria ampliado e quem sabe? universalizado.
No Brasil, desde 2013, várias ações têm sido feitas em São Paulo, quase sempre por iniciativas pessoais. Recentemente, a criação da página do Facebook (@EsquecaUmLivroOficial) tem motivado adesões e eventos de "esquecimento" em maior escala, que se estendem pelo País afora. O tamanho da ação varia desde uma grande e visível intervenção urbana, envolvendo variados agentes e muitos livros, até uma singela iniciativa pessoal de "esquecer" apenas um livro em local público.
Em tempos que pedem compartilhamentos (moradia, carros e o que vem por aí), quem sabe nos desapegamos dos livros esquecidos em nossas estantes, e compartilhamos mais do que eles próprios, mas a oportunidade de leitura e desenvolvimento pessoal. Afinal, não há como discordar de Mario Quintana quando disse que "Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas".
Então? Vamos esquecê-los por aí?
Empresário e escritor
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia