Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 23h55.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

américa do sul

Notícia da edição impressa de 22/06/2017. Alterada em 21/06 às 19h36min

Governo da Venezuela quer anular o Judiciário, diz procuradora-geral

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, afirmou, na noite de terça-feira, que a abertura de um processo contra ela pela Suprema Corte é uma tentativa do governo chavista de anular o Poder Judiciário do país.
"O Poder Legislativo foi anulado, e agora eles pretendem anular o Poder Judiciário. Eles querem anular qualquer dissidência política", afirmou Luisa, em entrevista a uma rádio local. "Talvez se esteja fechando a última porta que resta da democracia, que é o Ministério Público", continuou a procuradora, ex-aliada chavista que se tornou uma das mais ferrenhas críticas do governo Nicolás Maduro, a quem acusa de querer controlar o poder e anular a Constituição.
Na terça-feira, a Sala Constitucional do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela autorizou a abertura de processo contra a procuradora-geral por supostas "faltas graves" no exercício de seu cargo e por não respeitar as "decisões democráticas" do órgão. O pedido para a abertura do processo foi feito na semana passada pelo deputado chavista Pedro Carreño, que argumenta que a procuradora mentiu ao assegurar que não respaldou a escolha dos 33 magistrados do TSJ, acusado pela oposição de servir ao governo.
Os magistrados foram designados em dezembro de 2015 pelo Parlamento, então com maioria chavista. "Ela mentiu ao país. Serão consideradas como faltas graves da procuradora-geral ameaçar ou lesionar a ética pública ou a moral administrativa", disse Carreño.
A chefe do Ministério Público disse ainda que está preparada para enfrentar o julgamento. Contudo, criticou a decisão do TSJ como uma tentativa de "perseguir a dissidência política" e "desmantelar o Estado de direito". Ela comparou a ação à decisão do mesmo TSJ de declarar o Parlamento, então recém-controlado pela oposição, em desacato e anular os votos dos deputados. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia