Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 18 de junho de 2017. Atualizado às 22h18.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Reino Unido

Notícia da edição impressa de 19/06/2017. Alterada em 18/06 às 20h47min

Governo britânico se defende de acusações sobre fogo em prédio

O governo britânico procurou se defender das acusações de que não fez o suficiente para evitar o incêndio que atingiu um prédio residencial de baixa renda de Londres na semana passada, dizendo que o revestimento, que parece ter contribuído para a propagação do fogo, já está proibido. Pelo menos 58 pessoas morreram no incêndio, mas o número pode aumentar.
Moradores do Grenfell Tower, de 24 andares, se queixavam há anos de que o edifício não era seguro contra o fogo e que o revestimento poderia contribuir para a propagação das chamas. "Então há duas perguntas. Os nossos regulamentos estão corretos, eles permitem o tipo certo de materiais, banem o tipo de material errado?", disse o chefe do Tesouro, Philip Hammond. "A segunda pergunta é: as regras estavam sendo cumpridas?"
Essas questões serão o foco da ordem de inquérito público dada pela premiê Theresa May, bem como de uma investigação criminal. Ela também estabeleceu um fundo de 5 milhões de libras esterlinas (US$ 6,3 milhões) para auxílio às vítimas.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia