Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 23h10.

Jornal do Comércio

Guia de Pós-Graduação 2017

COMENTAR | CORRIGIR

MERCADO

Notícia da edição impressa de 22/06/2017. Alterada em 21/06 às 15h03min

Rio Grande do Sul é exportador de mestres e doutores

Barcellos destaca crescimento dos cursos de stricto sensu

Vice-reitor da UPF destaca crescimento dos mestrados e doutorados e diz que crise não atrapalhou a procura por qualificação


GELSOLI CASAGRANDE/DIVULGAÇÃO/JC
O Rio Grande do Sul é um importante polo regional de formação de mestres e doutores e, segundo Mariano Laplane, presidente do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), sempre teve o sistema de pós-graduação mais desenvolvido da região. Em 2014, o Estado contava com 353 programas de mestrado, praticamente metade dos 777 de todo Sul do País. A tradição gaúcha é confirmada pelo aumento da oferta de cursos e expectativa de novos programas nas universidades. Na Universidade de Passo Fundo (UPF), o crescimento em cursos de mestrado e doutorado foi seis vezes maior que a média nacional nos últimos sete anos, conforme o vice-reitor de Pesquisa e pós-graduação, Leonardo Gil Barcellos. Em 2010, a universidade tinha seis opções de stricto sensu, e agora são 15. Barcellos conta que a universidade está trabalhando em dois cursos com ênfase na saúde, que estão em fase de projeto, e um doutorado do programa de Envelhecimento Humano, um programa multidisciplinar e um dos únicos do País nesta área.  
Já na Universidade de Santa Cruz (Unisc), foi registrado crescimento de 30% no número de cursos credenciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). A pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação da Unisc, Andréia Rosane de Moura Valim, conta que, na especialização, a área do Direito teve maior percentual de crescimento na oferta dos cursos, totalizando mais 50% neste ano. "Estamos trabalhando para em 2018 ter uma ampliação na oferta de cursos na área da Saúde, especialmente na Odontologia e Enfermagem", afirma.
Na Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), os cursos presenciais cresceram 20% e os EaD (Educação a Distância), 78%. A previsão, segundo a diretora de Pós-graduação e Pesquisa, professora doutora Nádia Schröder, é mais opções no futuro. Para o mestrado, está sendo proposto um novo curso na área de Promoção da Saúde. "A graduação somente não é mais suficiente para uma boa colocação no mercado de trabalho, pois, além de muito competitivo, exige um profissional capaz de utilizar o conhecimento de forma inteligente, empreendedora e inovadora. Quem busca boas colocações no mercado de trabalho e sucesso profissional precisa pensar em educação continuada", afirma.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia