Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 23h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 22/06/2017. Alterada em 21/06 às 21h11min

Empresas eletroeletrônicas gaúchas registram queda de 11,33% em 2016

Resultado no ano passado foi de R$ 7,194 bilhões, informa Abinee

Resultado no ano passado foi de R$ 7,194 bilhões, informa Abinee


/LEUCOTRON/DIVULGAÇÃO/JC
De 2015 para 2016, o faturamento do setor elétrico e eletrônico no Estado sofreu retração de 11,33%, alcançando a cifra de R$ 7,194 bilhões. Os dados foram apresentados ontem, em reunião-almoço da regional gaúcha da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee). O encontro aconteceu no Ritter Hotel, em Porto Alegre.
Os segmentos que apresentaram maior faturamento foram o de equipamentos industriais, com R$ 1,951 bilhão, e o de automação industrial, com R$ 1,395 bilhão. No cenário nacional, o faturamento da indústria eletroeletrônica gaúcha representou 5,56% (total de R$ 129 bilhões) do faturamento de todo o setor.
Ainda de acordo com a pesquisa, o número de empregos registrou 21.950 posições ocupadas, o que corresponde a uma retração de -13,3%. Já em relação às exportações, houve diminuição de 8,65%, totalizando um valor exportado de US$ 245 milhões.
Para este ano, o setor vislumbra um cenário ligeiramente positivo, segundo o diretor regional da Abinee, Régis Haubert. A expectativa de crescimento médio (faturamento nominal) aguardado é da ordem de 14,5%. Na pesquisa, algumas empresas, pontualmente, apontaram investimentos e planos de expansão como motivos de otimismo para o ano de 2017. A maioria, entretanto, apresentou expectativa de crescimento como mera recuperação do fraco desempenho em 2016.
Anualmente, o estudo atualiza informações do setor eletroeletrônico gaúcho como faturamento, número de empregos, exportações e aponta perspectivas para o ano seguinte. Ao todo, foram ouvidas 247 empresas divididas em 10 segmentos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia