Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 21 de junho de 2017. Atualizado às 23h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 22/06/2017. Alterada em 21/06 às 21h11min

Confiança do industrial gaúcho cai em junho

A instabilidade política, que provoca incerteza em relação à aprovação das reformas trabalhista e da Previdência, abala a confiança do industrial gaúcho. O resultado é detectado no Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei-RS), divulgado ontem pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).
Na passagem de maio para junho, caiu 2,9 pontos, chegando a 52,7. Essa foi a terceira queda seguida e a mais intensa (-5,7 pontos acumulados) do Icei-RS, o que o levou ao menor valor em cinco meses.
Apesar do resultado ruim em junho, os 52,7 pontos ainda revelam confiança, pois ficaram acima de 50, em uma escala de 0 a 100. Diferentemente do Índice de Condições Atuais, que se manteve em junho praticamente no mesmo nível do mês anterior: passou de 48,8 para 48,5 pontos, abaixo dos 50 que separam condições piores de melhores. A estabilidade do índice refletiu os comportamentos distintos de seus dois subcomponentes: o que analisa as condições das empresas, que cresceu de 49,2 para 50,5 pontos, e o que mede as condições da economia brasileira, cujo índice caiu de 48 para 45 pontos.
Porém, é nas expectativas para os próximos seis meses que a percepção pessimista do industrial gaúcho se acentuou em junho. Com a maior queda mensal desde fevereiro de 2015, de 4,3 pontos, o Índice de Expectativas chegou a 54,8 pontos, ainda na faixa de otimismo, acima de 50, mas no menor patamar do ano.
O índice associado à economia brasileira caiu 7,2 pontos, de 54,6 em maio para 47,4 em junho, voltando a revelar um sentimento negativo. As expectativas com relação ao futuro das empresas também sofreram revés: o índice recuou de 61,5 para 58,8 pontos.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia