Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de junho de 2017. Atualizado às 10h18.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 19/06 às 10h22min

Taxas futuras de juros sobem com dólar de olho na crise política

Os juros futuros operam em alta nesta segunda-feira (19) na esteira do dólar, reagindo ao noticiário político do fim de semana, que fragiliza ainda mais o presidente Michel Temer, acusado pelo empresário Joesley Batista, maior acionista do Grupo J&F, de ser o chefe da maior e mais perigosa organização criminosa, segundo um operador de renda fixa.
Após oscilar nos primeiros minutos de negócios, as taxas futuras subiram. Às 9h58min, o DI para janeiro de 2019 exibia 9,11%, de 9,09% no ajuste de sexta-feira (16). O vencimento para janeiro de 2021 marcava 10,12%, de 10,10% no ajuste de sexta-feira.
O dólar à vista subia 0,58%, aos R$ 3,3103. O dólar futuro para julho estava em alta de 0,47%, aos R$ 3,320.
Antes da abertura da sessão, foi divulgado que o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) desacelerou para 0,13% na segunda quadrissemana de junho - ficando 0,26 ponto porcentual abaixo do registrado na leitura imediatamente anterior, quando o indicador apresentou variação de 0,39%.
Já o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) teve queda de 0,61% na segunda prévia de junho, ante redução de 0,89% na segunda prévia de maio. Com o resultado, o índice acumula recuo de 1,89% no ano e passou para o terreno negativo também no acumulado em 12 meses, com queda de 0,72%. A desaceleração desses índices já era esperada e não afetam as decisões de negócios.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia