Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 19 de junho de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Turismo

Notícia da edição impressa de 19/06/2017. Alterada em 18/06 às 21h12min

Baixa nas viagens em julho preocupa setor

Destinos europeus, como a Itália, estão na preferência dos viajantes

Destinos europeus, como a Itália, estão na preferência dos viajantes


PORTO BRASIL/DIVULGAÇÃO/JC
Tatiana Prunes
Viajar com a família nas férias escolares de julho continua sendo um desejo de consumo, mas que nem sempre pode ser realizado. As opções são inúmeras, mas o critério para a escolha do destino é basicamente o mesmo, se ele cabe no bolso. O setor, que se movimenta concomitantemente com o dólar, vive um período de hesitação.
"O mercado não está parado, mas também não se encontra aquecido. Não dá para se queixar, poderia estar pior", desabafa o presidente do Sindicato das Empresas de Turismo do Rio Grande do Sul (Sindetur), Paulo Artur Queiroz. Estagnação é o que define a situação da área em um dos períodos de maior incerteza que o País atravessa. "O setor ainda respira um pouco", completa Queiroz.
A procura por viagens internacionais caiu, mas a Europa continua sendo um dos destinos preferidos. A explicação se deve a vários fatores, em especial ao fortalecimento da experiência de viagem da família média brasileira, que, após ter voado pela primeira vez na década de 1990 e ter experimentado viagens pelo Brasil, América do Sul e Estados Unidos, agora vai rumo ao Velho Mundo.
Ainda que as pessoas estejam mais cautelosas e a demanda não tenha atingido o esperado pelas agências de turismo em geral, os negócios seguem apoiados na esperança de uma decisão de última hora. "É possível adquirir pacotes, mesmo sem muita antecedência, porque a realidade é essa. Tudo mudou, e as viagens podem ser programadas poucos dias antes, e não mais antecipadamente, como no passado", garante a diretora da Personal Turismo, Jussara Leite.
A Personal tem registrado consultas diárias, mas a compra, efetivamente, está espaçada. Comparado com 2016, no período em que se refere às férias de julho, a agência vendeu 6% a menos neste ano. Os destinos mais procurados, no entanto, continuam sendo os internacionais, liderando os negócios da agência com 85% das vendas da empresa.
Para a Isatto Turismo, o ritmo da procura por passeios durante o recesso escolar de inverno pode ser considerado baixo. Constatou-se uma retração neste ano de 10 a 15%, comparado com 2016. "Todos os destinos que utilizam transporte aéreo foram prejudicados, por conta da redução do número de voos, principalmente, os nacionais", lamenta o diretor da agência, Danilo Rehl Martins. Quem se programou e comprou a viagem está garantido, mas, a partir de agora, não há mais tempo, restando apenas pacotes de transporte terrestre, completa Martins.

Disney segue liderando no ranking dos lugares mais procurados

Parque de diversões criado por Walt Disney na Flórida recebe dezenas de grupos neste período

Queiroz diz que mercado está à espera de dias melhores


CLAITON DORNELLES /JC
A Disney, lugar queridinho da faixa etária que abrange pré-adolescentes e adolescentes, permanece promovendo, de forma consistente, a sobrevivência de empresas especializadas no destino, e que chegam a levar dezenas de grupos durante as férias.
Com a abertura do Consulado dos EUA em Porto Alegre, a Unejovem Turismo passou a trabalhar mais aliviada. Em janeiro deste ano, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, baixou um decreto que não dispensa mais de entrevista na solicitação do primeiro visto para adolescentes de 14 e 15 anos, obrigando a ida desse público, até então, para São Paulo e Rio de Janeiro, a agência se viu em dificuldade. 
A partir do funcionamento do consulado norte-americano na Capital, nasceu um facilitador, e as vendas permaneceram fluindo, para a Unejovem. "Neste ano, não foi registrado aumento, mas também não houve um encolhimento, mantendo-se o mesmo desempenho de 2016", informa o sócio-diretor da empresa, Júlio Cardoso.
A empresa leva, em média, 150 pessoas durante as férias escolares de julho, num pacote com duração de 15 dias que abrange parques, Nova Iorque, Orlando e Miami Beach.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários