Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 23h08.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 19/05/2017. Alterada em 18/05 às 20h38min

Deputados gaúchos repercutem crise no Planalto

Carlos Villela, especial para o JC
Em contraposição ao tema festivo do Grande Expediente da Assembleia Legislativa, em homenagem ao Esporte Clube Novo Hamburgo pela vitória inédita no Campeonato Gaúcho, os deputados se revezaram na tribuna para repercutir o escândalo político envolvendo as delações de executivos da JBS que atingem diretamente o presidente Michel Temer (PMDB).
Parlamentares de PT, PCdoB, Rede e PSOL, partidos de oposição a Temer, defenderam em seus pronunciamentos uma mesma ideia: a renúncia e a convocação de eleições diretas. Stela Farias (PT) disse demonstrar preocupação com a possibilidade do que ela chama "um novo golpe", por conta da convocação de eleições indiretas por um congresso que, segundo a deputada, não teria legitimidade.
Críticas a Temer também vieram de deputados cujos partidos integram a base e também cargos dentro do governo Temer, como Any Ortiz (PPS), Marcel van Hattem (PP) e Zilá Breitenbach (PSDB). Colega de partido do ministro da Defesa, Raul Jungmann, e de Roberto Freire, que entregou o cargo de titular da pasta da Cultura nesta quinta-feira, Any defendeu a renúncia de Temer na tribuna. Assim ela ecoa a opinião da bancada federal do partido, que já demonstrou disposição em deixar o governo.
Van Hattem, cujo partido ocupa o Ministério da Saúde, com Ricardo Barros, se disse "decepcionado" com a decisão de Temer de seguir no cargo, e estendeu suas críticas ao senador afastado Aécio Neves (PSDB) e aos ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Zilá ressaltou que integrantes do PSDB já tinham solicitado o afastamento de Aécio da presidência do partido, o que ele mesmo fez na tarde de ontem. Ela também afirmou considerar errada a ideia de que os incidentes envolvendo o governo federal seriam eventos "novos" e que na verdade representam a continuidade da crise política.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia