Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 15h38.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

18/05/2017 - 15h39min. Alterada em 18/05 às 15h39min

Temer diz a amigos que concordou com 'ajuda humanitária' a Cunha

Segundo os relatos, Temer disse que a ajuda foi num contexto humanitário

Segundo os relatos, Temer disse que a ajuda foi num contexto humanitário


LAYCER TOMAZ/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Mônica Bergamo, Folhapress
O presidente Michel Temer tem dado explicações a amigos e conselheiros próximos sobre as razões que o teriam levado a incentivar o empresário Joesley Batista, da JBS, a dar dinheiro a Eduardo Cunha e ao doleiro Lucio Funaro, que estão presos.
Segundo os relatos, Temer saberia que a família de Cunha passa por grandes dificuldades financeiras, já que ele está com todos os bens bloqueados.
Por isso, ao ouvir de Joesley que o empresário estava pagando uma mesada ao parlamentar, o presidente apoiou a iniciativa.
"Foi tudo num contexto humanitário. O presidente diz que jamais pensou que isso poderia beneficiá-lo com o silêncio do Cunha", diz um amigo que conversou com o presidente.
No áudio da gravação feita por Joesley e entregue ao Ministério Público Federal, o empresário diz que fazia pagamento a Cunha e a Funaro para que ficassem em silêncio sobre irregularidades envolvendo aliados. Temer então teria respondido: "Tem que manter isso, viu?".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia