Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 00h41.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 18/05/2017. Alterada em 17/05 às 19h03min

Garantir renda após a aposentadoria

Tiago Dias
O Brasil vive um momento de crise e para modificar essa situação verificamos que há um empenho do governo para equalizar desequilíbrios financeiros das contas da Previdência. Por outro lado, flexibilizar as relações de trabalho significa possibilitar mais contratações e desonerar a folha de pagamento para que as empresas tenham incentivos para iniciar um novo ciclo de investimentos e contratações. Diariamente somos bombardeados por diversas opiniões de especialistas contra e a favor das reformas. Cada defensor de sua corrente enumera os ganhos e riscos das mudanças. Creio, contudo, que unanimidade só exista na vontade de todos de contar com um Estado mais eficiente e menos deficitário, no qual as administrações mantenham despesas equilibradas e investimentos nas áreas essenciais da sociedade.
É importante frisar de que diante de um País em que as reformas são latentes e necessárias, o trabalhador também deve repensar seu perfil de consumo e poupança, ampliando sua visão de longo prazo e traçando cenários para a futura aposentadoria sem depender exclusivamente da previdência do governo. As soluções individuais para ter uma vida financeira mais equilibrada podem ser múltiplas. Diante de uma nova realidade, o trabalhador deverá começar a pensar mais do que nunca em planejar meios para manter sua renda futura. Nesse sentido, será que o trabalhador/consumidor está preparado para também se avaliar e repensar seus hábitos de consumo? A compra de imóveis aparece como uma opção dentre esses investimentos de longo prazo. Investir nesta área é investir em moeda forte, garantia da reserva de valor e opção de ganhos, tanto pela locação como pela venda futura. Atualmente, a construção civil representa em torno de 5% do PIB em um País com dimensões continentais e com mais de 200 milhões de habitantes. Estes números demonstram o grande potencial de crescimento deste setor.
Economista
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia