Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de maio de 2017. Atualizado às 22h44.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 12/05/2017. Alterada em 11/05 às 19h34min

Reforma da Previdência

Rodrigo Puggina
"Reformas, reformas e reformas!" Tais palavras, as quais deveriam ser proferidas pela população brasileira em razão do descalabro da política nacional e moralidade pública, são palavras de primeira ordem do governo federal e Congresso Nacional. Sequer é necessário discorrer sobre a ilegitimidade de "alguns" políticos. Ao menos, o que nos conforta é que pessoas como o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), aquele que defendia fervorosamente o deputado Eduardo Cunha (condenado recentemente a 15 anos de prisão), presidem a Comissão da Reforma da Previdência.
A grande tristeza neste processo de reformas é que algumas injustiças não serão revistas ou modificadas. Alguns absurdos sequer entram nas pautas das reformas. Como aceitar, por exemplo, situações como a de algum aposentado do serviço público e idoso, o qual já tenha superado a expectativa de vida no Brasil, digamos, com uns 76 anos de idade, que se apaixone perdidamente por uma mulher que teria idade para ser sua neta, sei lá, alguma ex-miss ou ex-modelo (se é que isto serve para adjetivar alguma pessoa), que tenha por volta de 30 e poucos anos. É aceitável e justo que, posteriormente, com o falecimento deste idoso, esta viúva possa receber pensão vitalícia - muitas vezes sequer precisando se preocupar, assim, em trabalhar? Não tenho dúvida da resposta. Porém isso é pauta da reforma sugerida? Nem pensar! E este é somente um dos tantos exemplos aleatórios.
A reforma da Previdência não vai atingir com tanta intensidade aquele que possui família de poder aquisitivo a qual poderá sustentar o indivíduo até que complete a faculdade e se firme em uma profissão, talvez lá pelos 30 e poucos anos de idade. E, se atingir de alguma forma, não será de maneira tão significativa como aquele que é obrigado a trabalhar desde os 14 anos de idade (ou antes), em empregos extremamente desgastantes, sequer alcançando, na imensa maioria, a expectativa de vida daquele senhor idoso pelo qual as meninas jovens se apaixonam perdidamente.
Advogado
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia