Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 17 de maio de 2017. Atualizado às 19h21.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

17/05/2017 - 19h21min. Alterada em 17/05 às 19h22min

Ex-diretor do FBI será conselheiro especial para investigação sobre Rússia

Ex-diretor do FBI, Robert Mueller foi nomeado conselheiro especial para monitorar a investigação do órgão sobre os esforços do governo russo para influenciar a eleição de 2016 nos Estados Unidos, informou o Departamento de Justiça. O vice-procurador-geral dos EUA, Rod Rosenstein, fez a nomeação, já que o procurador-geral Jeff Sessions se afastou de qualquer investigação relacionada à corrida eleitoral do ano passado. "Eu determinei que é do interesse público para mim exercer minha autoridade e apontar um conselheiro especial para assumir responsabilidade nesse assunto", afirmou Rosenstein em nota.
O vice-procurador advertiu que a nomeação não era resultado da conclusão de que crimes foram cometidos ou de que qualquer processo é necessário no caso. Mueller, um ex-procurador federal, foi diretor do FBI entre 2001 e 2013 e tem uma reputação de independência. Ele tem atuado como sócio da WilmerHale, um escritório de advocacia, mas se retirará do posto para evitar qualquer conflito de interesse, de acordo com o Departamento de Justiça.
Mueller comandou o FBI na sequência dos ataques terroristas de 2001 e foi apontado como responsável por dar à agência um papel maior na coleta de informações de inteligência. O então presidente Barack Obama pediu a Mueller que ficasse no posto após o fim de seu mandato de dez anos para buscar um sucessor. Obama acabou em 2013 por nomear James Comey, recentemente demitido pelo atual presidente, Donald Trump.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia