Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 14 de maio de 2017. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos humanos

Notícia da edição impressa de 15/05/2017. Alterada em 14/05 às 22h33min

Brasil tem o dobro de violência doméstica em relação à UE

Isabella Sander
Na União Europeia (UE), uma em cada três mulheres (33%) já sofreram algum tipo de violência de gênero. No Brasil, são três em cada cinco (60%). "Não somos a pior região do mundo nesse sentido, mas temos ainda muita desigualdade de gênero em nossos países. Por isso, 2017 foi definido como o ano de combate à violência contra a mulher na UE", revela o embaixador do grupo econômico, João Cravinho.
O Instituto Europeu para a Igualdade de Gênero estima que a violência contra as mulheres custa ao bloco europeu
¤ 226 bilhões (R$ 782 bilhões) anualmente, entre produtos econômicos perdidos pela falta das trabalhadoras, serviços de acolhimento e atendimento, segurança social e ações na Justiça. De acordo com estudo da Organização das Nações Unidas (ONU) feito em 2013, 10,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, o equivalente na época a R$ 508,2 bilhões, são comprometidos anualmente no Brasil com a violência contra a mulher. Isso significa dizer que o impacto da violência para o Estado brasileiro é de 65% do impacto relativo a todos os 28 países da UE. Mesmo assim, o País tem índices muito mais graves nesse quesito.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia