Geração E
evento de empreendedorismo da Endeavor e Instituto Ling, no Instituto Ling. 
Um dos painéis reuniu advogados e abordou a questão jurídica nos negócios Foto: MARCELO G. RIBEIRO/JC

Ex-bolsistas do Instituto Ling compartilham experiências de empreendedorismo

Atividade foi promovida em parceria com a Endeavor, em Porto Alegre

O Instituto Ling, em parceria com a Endeavor, promoveu, terça e quarta-feira, em Porto Alegre, o evento Empreendedorismo 360° - Cases, Ideias e Oportunidades. Durante as atividades, ex-bolsistas que fizeram mestrados ou cursos de pós-graduação em universidades estrangeiras e convidados compartilharam experiências sobre o tema.
“Os painéis passaram pela ideia, validação e de como ir atrás dos recursos. Deu uma linha lógica sobre a constituição dos negócios”, resume Milena Dalacorte, coordenadora da Endeavor no Rio Grande do Sul. “Alguns painelistas falaram da trajetória de erros e outros, dos acertos. O diretor do Uber mencionou a atitude empreendedora das pessoas, da mentalidade de ownership (pensamento de dono, mesmo sendo funcionário). E foi dito que não há caminho certo ou errado. Cada um tem de entender onde aproveitar suas competências”, destaca ela.
Entre os painéis, um deles abordou os aspectos legais na hora de empreender. O advogado Rafael Pellegrini Ribeiro, associado no Trench, Rossi e Watanabe Advogados, aconselhou que as pessoas façam um check-list de obrigações jurídicas antes de abrir uma empresa. “Se o empreendedor não tiver visão clara de regulação, isso pode ser um impeditivo já no início”, aconselhou.
Filipe Scherer Oliveira, advogado associado no Veirano Advogados, falou da importância de o empreendedor ajudar na mudança e modernização de legislações que não fazem sentido. “O Uber montou uma estrutura fugindo da regulação estatal. Vejam como isso não é estático. E, agora, a empresa está preocupada com a concorrência dos carros sem motoristas”, exemplificou.
Guilherme Valadares, fundador e editor-chefe do PapodeHomem, foi um dos participantes do painel MBA ou não MBA, eis a questão. O jornalista, que toca o projeto há uma década, revelou que nunca fez um MBA e que sentiu falta de mentores por conta disso. “Nos primeiros quatro anos, publicávamos muito conteúdo machista. Cometemos erros que nos assombram até hoje, inclusive financeiros. Senti falta de ter mais apoio emocional, era um jovem impressionável. Hoje, tentamos ir além dos clichês de que homem só fala de mulher, cerveja e futebol”, expôs.

Como ser um bolsista e estudar fora do País?

Sandra Moschovich, coordenadora da área de bolsas do Instituto Ling, explica que o local ajuda com recursos para estudos ou alimentação para quem foi aprovado em mestrados de primeira linha no exterior. “Somos uma parcela do apoio para fechar a conta, pois o empreendedor provavelmente também terá de fazer empréstimo. As bolsas abrem inscrições entre janeiro e maio”, detalha.
Em 22 anos de atuação, o Instituto Ling concedeu mais de 270 bolsas de estudos para alunos brasileiros nos Estados Unidos e na Europa, com investimento de quase US$ 5,5 milhões. As bolsas são oferecidas para alunos já aprovados para os cursos de MBA, MPA e LLM em universidades de primeira linha no exterior (Programas Start MBA/MPA e LLM Instituto Ling/Gouvêa Vieira), jovens jornalistas indicados por profissionais de renome da imprensa brasileira (Programa Jornalista de Visão), alunos aprovados para um Mestrado em Engenharia na universidade IIT (Programa Masters in Engineering IIT) ou jovens indicados por entidades parceiras para participarem do programa de pós-graduação em liderança Global Competitiveness Leadership Program. Saiba mais em www.institutoling.org.br/index.php/bolsas-de-estudo.
Compartilhe
Artigos relacionados
Comentários ( )
Deixe um comentário

Publicidade
Newsletter

HISTÓRIAS EMPREENDEDORAS PARA
VOCÊ SE INSPIRAR.

Receba no seu e-mail as notícias do GE!
Faça o seu cadastro.





Mostre seu Negócio