Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de maio de 2017. Atualizado às 12h26.

Jornal do Comércio

Gastronomia e Vinhos 2017

COMENTAR | CORRIGIR

VINÍCOLAS

Notícia da edição impressa de 19/05/2017. Alterada em 23/05 às 12h28min

Produção da Dal Pizzol segue cartilha do bom vinho

Tintos concentram a produção da vinícola

Tintos concentram a produção da vinícola


ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
Com uma produção anual de 250 mil garrafas (200 mil litros), a Dal Pizzol Vinhos Finos está instalada em Faria Lemos, distrito de Bento Gonçalves, na serra gaúcha, e integra a Rota Cantinas Históricas. Deste total, 51% são vinhos tintos; 12%, vinhos brancos; 32%, espumantes; e 5%, suco de uva. A vinícola possui uma ampla variedade de produtos das marcas Dal Pizzol (58% da produção) e Do Lugar (42%).
A empresa aposta em uma produção controlada, que privilegia a elaboração de vinhos diferenciados e produz mais vinhos que espumantes. Do total da produção, 63% é de vinhos. O projeto é elaborar vinhos mais fáceis de beber, por isso nenhum vinho da vinícola passa por barricas de carvalho. O entendimento é de que o consumidor brasileiro, salvo aqueles que conhecem o produto e apreciam rótulos mais encorpados, gosta de vinhos descontraídos, fáceis de beber e harmonizar, de consumo rápido. O trabalho é coordenado pelo enólogo Dirceu Scottá.
Para garantir uma produção de qualidade, a Dal Pizzol mantém parceria com produtores através de acompanhamento técnico feito por dois enólogos e um engenheiro agrônomo da vinícola. A assessoria se dá em todo o processo, desde a escolha da variedade de uva a ser implantada até a colheita. Cada produtor recebe uma cartilha de procedimentos e práticas para o cultivo da videira. O material dá instruções, inclusive, sobre o limite de produção por área, variedade e sistema de condução da parreira
Com a aproximação do inverno, a vinícola acredita que os consumidores aproveitem para renovar as adegas, degustando não apenas castas tradicionais, como Merlot e Cabernet Sauvignon, mas também opções como Ancellotta, Pinot Noir, Gamay, Touriga Nacional, exemplares que compõem a linha Dal Pizzol. Outra aposta, e que faz parte da história da vinícola, é o Cabernet Franc. A novidade da vinícola é o Dal Pizzol Gamay, o primeiro vinho tinto da safra 2017. O lote 2016 esgotou ainda no ano passado.
A Dal Pizzol traz consigo uma tradição na vitivinicultura que remonta ao ano de 1878, quando os primeiros imigrantes da família chegaram ao Brasil. Criada em 1974, a Vinícola Monte Lemos, mais conhecida por Dal Pizzol, carrega consigo a força de uma tradição que chega à 13ª geração, sexta no Brasil. Hoje, a empresa é coordenada pelos irmãos Antônio e Rinaldo Dal Pizzol, e a filosofia da família é manter uma produção limitada de vinhos elaborados com uvas finas.
Em 1978, ano do centenário da chegada do patriarca no Brasil, foi criado o Cabernet "Do Lugar", em homenagem ao imigrante e distribuído a amigos e apreciadores, entre outros vinhos da família.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia