Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 17h43.

Jornal do Comércio

Gastronomia e Vinhos 2017

COMENTAR | CORRIGIR

HARMONIZAÇÃO

Notícia da edição impressa de 19/05/2017. Alterada em 22/05 às 17h44min

Mais mulheres bebem vinho

Andreia reforça que consumidoras buscam vinhos mais fáceis e descontraídos para momentos como o happy hour.

Consumidoras buscam vinhos mais fáceis e descontraídos, diz Andreia


ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
A presidente da Associação Brasileira de Sommeliers, Andreia Gentilini Milan, afirma que o consumo de vinhos no Brasil segue abaixo de 2 litros per capita há mais de 10 anos, e um dos grandes entraves para o crescimento da categoria é atrair novos consumidores para este mercado.
A alta carga tributária - que faz com que os vinhos cheguem às gondolas com preço elevado - aliada ao desconhecimento e à dificuldade na escolha afasta o público em geral do mundo do vinho, segundo ela. Para superar essas dificuldades, a busca por vinhos leves e frutados tem se tornado tendência mundial, especialmente nos mercados tradicionais, como Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha, pois as pessoas estão buscando vinhos mais fáceis e descontraídos, que harmonizam muito bem com momentos como um happy hour.
"Um bom exemplo disto é o espumante rosé, que vem crescendo no mercado nacional e internacional como uma excelente opção para um vinho de consumo fácil e versátil para harmonização de pratos do dia a dia."
A busca de um vinho leve, fresco e frutado que harmonize bem com uma pizza, um hambúrguer ou uma salada no dia a dia é uma tendência de consumo para acompanhar o ritmo diário.
"Um exemplo de consumo é o crescimento das mulheres neste mercado. É cada vez mais comum encontrar em um restaurante um casal no qual a mulher está consumindo um vinho em taça e o homem, tomando cerveja ou outra bebida. É só observar a quantidade de confrarias femininas que, além de um ponto de encontro, também aproveitam estes momentos para aprender sobre o mundo dos vinhos", conta.
Um outro exemplo, segundo Andreia, é a participação crescente de mulheres em cursos de formação profissional de sommelier, que já somam mais de 50% dos alunos.

Inverno combina com os tintos

No inverno, é natural apetecerem pratos mais pesados e quentes, que pedem vinhos encorpados. Então, é a época dos tintos, naturalmente mais pesados, por trazerem graduação alcoólica geralmente maior e, mais importante, taninos, que dão corpo ao vinho.
"Entre as combinações, os cordeiros com vinhos Cabernet Sauvignon e Merlot; Cabernet Franc com caças pequenas; sopas e caldos com Pinot Noir; e, para o churrasco, parceria com a uva Tannat", indica.
Já o diretor da Associação Brasileira de Sommeliers, Vinicius Santiago, sugere ainda, para os dias frios, vinhos ricos em sabor, como os das castas Syrah.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia