Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de maio de 2017. Atualizado às 20h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 19/05 às 20h51min

Bolsas de Nova Iorque fecham em alta, influenciadas por ações de bancos e de energia

Os mercados acionários americanos fecharam em alta nesta sexta-feira (19), influenciados, principalmente, por ações de companhias ligadas aos setores financeiro e de energia.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,69%, aos 20.804,84 pontos; o S&P 500 avançou 0,68%, para 2.381,73 pontos; e o Nasdaq ganhou 0,47%, aos 6.083,70 pontos. Na semana, no entanto, os três índices recuaram, marcando perdas de 0,44%; 0,38% e 0,61%, respectivamente.
Após registrarem a queda mais acentuada em um dia desde setembro, as bolsas subiram no pregão da quinta-feira e mantiveram o movimento de alta nesta sexta-feira, com os investidores avaliando que o pior momento do risco político que afetou a Casa Branca nesta semana passou.
Entre os bancos, o JPMorgan avançou 0,98%, o Citigroup subiu 1,70% e o Morgan Stanley teve alta de 1,19%. Já no setor de energia, a Chevron ganhou 1,28% e a ExxonMobil teve 0,22% de expansão. O setor foi impulsionado pelo aumento dos preços do petróleo, que voltaram a subir nesta sexta-feira diante de uma expectativa com a manutenção de cortes na oferta da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
"Nós pensamos que há menos possibilidade do estímulo fiscal de Trump ser entregue ou que provavelmente será mais modesto", disse Mitul Patel, chefe de taxas de juros da Henderson Global Investors.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia