Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de maio de 2017. Atualizado às 20h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

energia

Alterada em 19/05 às 20h16min

Renova: contratos de energia somando 188 MW médios serão cancelados

A Renova Energia informou nesta sexta-feira (19), que contratos de energia somando 188,2 megawatts médios (MWm) devem ser permanentemente cancelados por meio do Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits (MCSD) A4+, conforme resultado preliminar relativo ao processo divulgado nesta sexta-feira pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).
Em fato relevante, a companhia explicou que devem ser cancelados 10,2 MWm em contratos para fornecimento a partir de janeiro de 2018 referentes ao Complexo do Alto Sertão III, que foi contratado em leilão de energia realizado em 2012. Outros 178 MWm, também para fornecimento a partir de janeiro do ano que vem, se referem a contratos acertados em leilão de 2013 para o Complexo de Umburanas.
A companhia já havia indicado, em relatório de resultados referente ao primeiro trimestre, divulgado na semana passada, que havia solicitado o cancelamento desses contratos por meio do mecanismo.
A Renova indicou que após a execução desse mecanismo, a capacidade contratada da geradora recuará para 1298,1 MW para 2018, 33,3% abaixo dos 1.671,5 MW atualmente registrados. Para o ano de 2020, a diminuição na capacidade instalada é de 19%.
"O resultado desta operação é um passo importante para a companhia, uma vez que reduz de forma significativa a necessidade de investimentos no médio prazo bem como mitiga os riscos financeiros e regulatórios decorrentes do atraso na entrega dos parques eólicos", destacou a Renova no comunicado.
De fato, a geradora, em dificuldade financeira, vem enfrentando problemas para executar as obras e está aproveitando o momento de sobrecontratação das distribuidoras para tentar se descontratar e minimizar os impactos dos atrasos na entrada em operação de alguns de seus parques.
"Esta ação demonstra a firme intenção da Renova e de seus sócios controladores em redimensionar o portfólio de negócios da companhia, otimizando investimentos e readequando sua estrutura de capital", completou a empresa, em documento assinado pelo diretor vice-presidente de Finanças, Desenvolvimento de Negócios e Relações com Investidores da companhia, Cristiano Corrêa de Barros.
O resultado final do MCSD A4+ deve ser divulgado no final de maio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia