Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de maio de 2017. Atualizado às 09h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

19/05/2017 - 17h43min. Alterada em 19/05 às 17h43min

Saída da equipe econômica significaria acelerar a catástrofe, diz economista

Um eventual desembarque da equipe econômica do governo significaria "acelerar a catástrofe" que atingiu a recuperação econômica do Brasil nesta semana, em decorrência da delação da JBS envolvendo o presidente Michel Temer, avalia o economista e presidente da Macroplan, Claudio Porto.
Por isso, o profissional entende que tanto o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, quanto o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, devem permanecer, "para evitar o pior". "O mercado está olhando bem de perto esta situação, esperando que eles fiquem para conter os danos. Nesta confusão toda, creio que Meirelles está preservado. Ele é muito experiente e entende muito sobre questões de compliance", afirmou ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. "Eles (equipe econômica) estão com uma postura muito correta. A equipe é de primeira qualidade, mas sozinhos eles não resolvem", afirmou.
O conteúdo das gravações divulgadas na quinta-feira (18), em que Temer e Joesley conversam sobre relações com políticos e membros do judiciário, acabou com qualquer perspectiva de governabilidade, avalia Porto. "Temer não consegue montar uma base de sustentação política, a não ser à base do pior fisiologismo. Politicamente ele está muito frágil e os agentes políticos e econômicos estão paralisados. Se tiver uma solução rápida e de qualidade, a agenda de reformas pode ser salva, mas no curtíssimo prazo, elas não têm nenhuma condição de prosperar."
Observando um horizonte mais amplo, o economista apontou que o mercado pode se beneficiar deste "novo patamar de sofisticação das investigações, com operações controladas". "A médio e longo prazo, será positivo para a renovação do capitalismo brasileiro, interrompendo algumas práticas bastante generalizadas, como apadrinhamento e impunidade", avaliou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Megan Brown 20/05/2017 11h21min
Depois do país destruído, não vejo outra alternativa do que venha a acontecer, senão, a fuga dos destruidores para uma ilha do Pacífico e viver uma vida mansa, cheios de petrodólares. Na minha opinião essas pessoas são bandidos da pior laia, pois vão deixar um país em guerra de irmãos contra irmãos.