Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de maio de 2017. Atualizado às 13h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

19/05/2017 - 13h35min. Alterada em 19/05 às 13h36min

BC: quadro de incerteza é muito recente; não dá para avaliar impacto na inflação

O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel, considerou nesta sexta-feira (19) que ainda é cedo para avaliar os impactos da nova crise política na inflação e na atividade econômica. "O quadro de incertezas ainda é muito recente, não dá para fazer uma avaliação dessas implicações. É preciso aguardar um pouco mais", disse Maciel, após apresentação do boletim regional do BC, em Fortaleza.
Durante a apresentação, Maciel havia afirmado que o processo desinflacionário é robusto e que o índice de inflação deve cair um pouco mais até julho e agosto.
O chefe do Departamento Econômico do BC disse que o índice de inflação deve "cair um pouco mais" até julho e agosto. "O processo desinflacionário é robusto e não se dá por um fator pontual ou passageiro", comentou, sem citar a disparada do dólar ocorrida na quinta-feira, como possível risco à inflação.
Em outro momento da apresentação, ao falar das perspectivas para a melhora do mercado de crédito no Brasil, Maciel afirmou que as taxas de inadimplência entre as famílias estão "muito bem comportadas".
Em relação à atividade econômica, Maciel ressaltou que boa parte da recuperação se dá pelo lado da oferta, no agronegócio, e que essas condições favoráveis seguem prevalecendo, o que pode, na sua avaliação, acabar contendo os efeitos da crise política em regiões onde o agronegócio é mais forte.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia