Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de maio de 2017. Atualizado às 08h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

19/05/2017 - 08h28min. Alterada em 19/05 às 08h28min

Petróleo retoma patamar de US$ 50 por barril na expectativa com reunião da Opep

Os contratos futuros de petróleo operam em alta nesta sexta-feira (19), beneficiados pela expectativa com a reunião de países produtores e membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), na próxima quinta-feira, que deve decidir sobre uma possível extensão dos cortes anunciados no final do ano passado.
Às 7h56min (de Brasília), o contrato do Brent para julho operava em alta de 50,24 por barril, na Intercontinental Exchange (ICE). No mesmo horário, o WTI para o mesmo mês avançava 1,18%, a US$ 53,13 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex).
As discussões do dia 25 vão decidir sobre a manutenção, por mais nove meses, do corte de 1,8 milhão e barris, o que faria o acordo valer até o final de março. "A expectativa agora é que ao menos tenhamos um acordo com o mesmo montante de cortes. Para a Opep impressionar, seria necessário fazer mais", afirmou Richard Mallinson, analista da Energy Aspects.
No início da semana, autoridades da Arábia Saudita e da Rússia sinalizaram apoio à extensão dos cortes, o que ajudou os contratos a observar ganhos de mais de 3,0% nos últimos sete dias. Paralelamente, analistas monitoram as eleições no Irã, onde o presidente Hassan Rouhani deve ser reeleito ante seu principal oponente, o radical Ebrahim Raisi. Para o Commerzbank, uma reviravolta nesse cenário pode beneficiar os preços ao elevar as tensões geopolíticas - Raisi é contra o acordo nuclear de Rouhani com as potências, o que pode trazer uma escalada de sanções.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia