Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 20h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

18/05/2017 - 20h02min. Alterada em 18/05 às 20h29min

Presidente do Banco Central tenta acalmar mercado após dólar avançar 8%

Goldfajn lembrou que a autoridade monetária interviu no mercado nesta quinta através de leilões de swaps

Goldfajn lembrou que a autoridade monetária interviu no mercado nesta quinta através de leilões de swaps


José Cruz/ABR/JC
Folhapress
O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (18) que, neste momento de crise política, o trabalho do BC tem que ser "contínuo, sereno e firme".
Declarou ainda que o BC e o Tesouro Nacional estão atuando de forma conjunta para acalmar o mercado. "Estamos fazendo nosso papel, que é o papel do BC, que é manter a funcionalidade do mercado, trabalhando de forma serena, de forma firme, usando os instrumentos que a gente tem", afirmou antes de reunião com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.
Goldfajn lembrou que a autoridade monetária interviu no mercado nesta quinta através de leilões de swaps, operações que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.
Mesmo assim, o dólar comercial encerrou o dia com forte alta de 8,16%, para R$ 3,390. Foi a maior valorização desde 5 de março de 2003. O dólar à vista, que fecha mais cedo, teve ganho de 8,68%, para R$ 3,373.
"Estivemos intervindo no mercado de swap em coordenação com o Ministério da Fazenda, com o Tesouro Nacional, que anunciou alguns leilões", disse, referindo-se ao anúncio do Tesouro de que realizará leilões extraordinários de títulos públicos nesta sexta (19), segunda (22) e terça (23) visando reduzir a volatilidade dos mercados.
"Temos vários instrumentos e estamos trabalhando para acalmar o mercado, pra atravessar esse período, e é um trabalho contínuo, um trabalho sereno, um trabalho firme".
Questionado de a política monetária muda a partir de agora, Goldfajn respondeu que essa é "uma questão separada". "A política monetária é uma questão separada. A questão em que estamos atuando hoje não tem relação mecânica com a política monetária, é uma decisão tomada nas reuniões ordinárias do Copom [Comitê de Política Monetária]".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia