Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 13h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

18/05/2017 - 13h18min. Alterada em 18/05 às 13h41min

Banco Central diz que decisões sobre taxa de juros não podem ser antecipadas

Agência Brasil
O Banco Central (BC) disse, em nota hoje (18), que as decisões do Comitê de Polícia Monetária (Copom) são tomadas apenas durante as suas reuniões. Segundo matérias publicadas na imprensa, o presidente Michel Temer teria adiantado o corte de um ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic, para o dono do grupo JBS, o empresário Joesley Batista.
"As decisões do Copom são tomadas apenas durante as suas reuniões e são divulgadas imediatamente após seu término por meio de comunicado no sítio do Banco Central na internet. Portanto, não existe possibilidade de antecipação da decisão a qualquer agente, público ou privado. Sinalizações sobre possíveis futuras decisões são emitidas nos documentos oficiais do Banco Central", diz a nota do BC.
No início da noite de ontem (17), o site do jornal O Globo publicou reportagem, segundo a qual, em encontro gravado em áudio, Temer teria sugerido que se mantivesse o pagamento de uma mesada ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que esses ficassem em silêncio. Conforme a reportagem, Batista firmou delação premiada com o MPF e entregou gravações sobre as denúncias.
O BC também respondeu em nota sobre notícia veiculada na imprensa, que a JBS teria comprado grande volume de dólares antes divulgação da reportagem. "O Banco Central não comenta casos específicos que podem envolver entes regulados. Cabe ressaltar que, no âmbito de suas competências legais, o Banco Central apura informações recebidas de várias fontes, com vistas a eventual abertura de processo punitivo", diz a nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia