Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 18 de maio de 2017. Atualizado às 00h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

Notícia da edição impressa de 18/05/2017. Alterada em 17/05 às 21h55min

Copom avalia cortes na Selic, diz presidente do Banco Central

Ilan Goldfajn participou de evento do Fundo Monetário Internacional

Ilan Goldfajn participou de evento do Fundo Monetário Internacional


/Marcelo Camargo/ABR/JC
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, afirmou, durante evento do FMI (Fundo Monetário Internacional) ontem em Brasília, que a autoridade monetária avalia uma "intensificação moderada" em relação ao atual ritmo de cortes na taxa básica de juros, de um ponto percentual. "Estamos ponderando qual o grau de antecipação adequado, entre o atual ritmo e uma intensificação adicional moderada. Não há definição no momento, a decisão ocorrerá apenas na próxima reunião do Copom", afirmou ele, segundo apontamentos lidos durante o evento e divulgado pela assessoria de imprensa do BC.
Goldfajn disse que a avaliação da última ata do Copom, de que o ritmo de um ponto percentual é "adequado", mas que é necessário monitorar a conjuntura, permanece válida. Em abril, a Selic foi reduzida de 12,25% ao ano para os atuais 11,25% ao ano - queda que representou uma intensificação em relação ao ritmo de corte das reuniões anteriores, de 0,75 ponto percentual. "O Comitê reduziu a taxa Selic para 11,25% ao ano. Naquela data, o Comitê considerou o atual ritmo de queda adequado, entretanto, avaliou que a conjuntura recomendava monitorar a evolução", afirmou Goldfajn.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia