Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de maio de 2017. Atualizado às 20h15.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 16/05 às 20h20min

Em Nova Iorque, dólar recua ante rivais, em meio a turbulência política em Washington

O dólar perdeu força ante outras moedas consideradas fortes nesta terça-feira (16), pressionado por incertezas políticas nos Estados Unidos e por dados fracos da economia americana.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar recuava de 113,78 ienes na tarde de ontem para 113,05 ienes; o euro avançava de US$ 1,0977 para US$ 1,1092; e a libra subia de US$ 1,2896 para US$ 1,2921.
Na segunda-feira, o jornal Washington Post publicou que o presidente americano, Donald Trump, revelou informações sigilosas sobre o grupo Estado Islâmico para autoridades russas, durante uma reunião com o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, na Casa Branca na semana passada. O movimento agrava a crise política em Washington, já que veio na esteira da demissão de James Comey do cargo de diretor do Escritório de Investigação Federal (FBI, na sigla em inglês).
Os investidores temem que uma série de controvérsias políticas possam tornar mais difícil para o governo promover cortes de impostos e gastos com infraestrutura, prometidos durante a campanha. As esperanças dos agentes do mercado têm se deteriorado gradualmente ao longo do ano, uma vez que uma série de crises corrói a capacidade do governo de se concentrar na aprovação da agenda econômica, disse Omer Esiner, analista de mercado da Commonwealth Foreign Exchange.
Dados de habitação mais fracos do que o esperado também pesaram na moeda americana. As construções de moradias iniciadas caíram 2,6% em abril ante março, segundo o Departamento do Comércio dos EUA, sendo a terceira baixa em quatro meses para o indicador.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia