Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de maio de 2017. Atualizado às 22h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 17/05/2017. Alterada em 16/05 às 21h45min

Opinião econômica: Pouco importa

Steinbruch tem fama de desistir de negócios na última hora

Steinbruch tem fama de desistir de negócios na última hora


/Folhapress/Arquivo/JC
Benjamin Steinbruch
Falemos da indústria. Não se trata aqui de comparar a administração brasileira atual com anteriores. Trata-se de analisar o que está sendo proposto - ou está deixando de ser proposto - num momento em que a desindustrialização avança a passos de gigante e o neoliberalismo radical impõe a ideia de que a indústria brasileira deve ser entregue à sua própria sorte, sem ter as condições para competir em igualdade com os concorrentes internacionais.
Pouco importa que a produção industrial geral tenha caído 3% em 2014, 8,3% em 2015 e 6,6% em 2016, totalizando um retrocesso de quase 17% em três anos.
Pouco importa que a indústria de máquinas tenha perdido 50% de seu faturamento nesses mesmos três anos.
Pouco importa que a indústria naval e a cadeia produtiva de petróleo e gás tenham sido praticamente destruídas.
Pouco importa que o setor da indústria de transformação tenha cortado 323 mil empregos em 2016, e a da construção civil, 359 mil.
Pouco importa que as exportações de manufaturados tenham caído de US$ 93 bilhões em 2013 para US$ 74 bilhões em 2016, com uma perda de receita em moeda forte para o país de cerca de US$ 50 bilhões em três anos.
Pouco importa que a produção de veículos, de um setor que já foi o carro-chefe da economia brasileira, tenha caído para apenas 2,2 milhões de unidades no ano passado, fazendo o segmento industrial voltar para o seu nível de produção de 12 anos atrás.
Pouco importa que o crédito esteja sendo sonegado, ainda que centenas de bilhões pudessem ser oferecidos às empresas pelo setor financeiro estatal e privado.
Pouco importa que as taxas de juros se mantenham no mais absurdo nível quando comparadas com as internacionais, o que inviabiliza qualquer iniciativa financiada e envergonha o País.
Li há duas semanas uma entrevista do presidente do conselho da Abimac, João Carlos Marchesan, associação que reúne os fabricantes de máquinas e equipamentos. Ele observou que o governo, ainda que tenha um comportamento corajoso para impor as reformas de que o País precisa, tem um "cunho ideológico" liberal e "não olha para a indústria com a devida atenção".
Esse "cunho ideológico", na verdade, é um desastre para o País. Fundamenta-se no pressuposto ingênuo de que o mercado regula tudo e que a indústria brasileira pode competir com os concorrentes internacionais em igualdade de condições, quando, na verdade, é assolada por uma série de desigualdades, como o custo do capital astronômico, a tributação excessiva, o custo incerto da energia e a burocracia infernal. Sem tirar esses "penduricalhos" (palavra usada por Marchesan), expor a indústria à competição internacional é o mesmo que, digo eu, jogá-la na cova dos leões.
Ouvi recentemente o psiquiatra e psicanalista Jorge Forbes dizer que, na sociedade atual, o medo virou virtude. Temos medo de tudo, de lactose, sacarose, glúten, gorduras, sódio etc. Eu acrescentaria que temos medo de financiar empreendimentos, de estabelecer prioridades, de lançar políticas setoriais, de planejar o desenvolvimento.
Não pode ser assim. Desenvolvimento não cai do céu. Medo é atraso, negação, retranca. Virtude é coragem, ousadia, empreendedorismo, inovação.
Diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional e presidente do conselho de administração da empresa
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia