Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de maio de 2017. Atualizado às 21h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

balanços

Alterada em 10/05 às 21h26min

Ultrapar: Ebitda da Ipiranga atinge R$ 705 mi no trimestre; redução de 1%

Com efeito negativo do declínio do volume de vendas, o Ebitda da Ipiranga atingiu R$ 705 milhões no primeiro trimestre de 2017, com redução de 1% ante igual período de 2016.
O recuo foi mais acentuado na comparação com os últimos três meses do ano passado. A queda foi de 18%, devido ao menor volume de vendas, à concentração de receita de merchandising típica e às movimentações nos custos de combustíveis, diz a Ultrapar em seu release de resultados.
O volume de vendas da Ipiranga totalizou 5,554 milhão de metros cúbicos no primeiro trimestre deste ano, com queda de 6% contra o mesmo período de 2016. Apesar da queda, a empresa destacou que esse declínio é inferior à baixa de 14% observada no quarto trimestre, o que pode indicar uma inversão de tendência, escreveu a Ultrapar no documento.
Em relação ao quarto trimestre de 2016, o volume total vendido pela Ipiranga foi 2% menor, devido à sazonalidade entre os períodos, atenuado pela recuperação de participação de mercado no segmento revenda.
O volume vendido de combustíveis para veículos leves (ciclo Otto) apresentou redução de 3% em relação ao primeiro trimestre de 2016, refletindo a menor competitividade dos preços do etanol e a deterioração do nível de emprego. Esses fatores foram parcialmente compensados pela aceleração dos investimentos em abertura de postos.
O volume de diesel apresentou redução de 10% em relação ao primeiro trimestre de 2016, acompanhando o desempenho fraco da economia e a redução de participação de mercado nos segmentos de grandes consumidores e TRR (Transportador-Revendedor-Retalhista).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia