Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 09 de maio de 2017. Atualizado às 18h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 09/05 às 18h56min

Petróleo fecha em queda em meio a preocupações com excedentes globais

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda nesta terça-feira (9), pressionados por uma série de fatores, incluindo o ceticismo sobre a influência da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a alta da produção americana e a valorização do dólar.
O petróleo WTI para junho fechou em queda de US$ 0,55 (-1,18%), a US$ 45,88 por barril na Nymex. Na ICE, em Londres, o Brent para julho fechou em queda de US$ 0,61 (-1,23%), aos US$ 48,73 o barril.
A queda foi a 11ª em 17 sessões e trouxe os preços da commodity para o segundo menor nível do ano. Os preços recuaram mais de 14% em Nova York desde o começo do ano. Isso acontece principalmente por causa da alta dos estoques americanos e a frustração dos investidores com o efeito do acordo de corte de produção da Opep, que foi morno.
O ministro de Energia da Arábia Saudita, Kalid al-Falih, disse hoje que as reduções contínuas da produção, combinadas com mais de 20 produtores no ano passado, estão acontecendo. Ele também sinalizou que os cortes podem se estender até 2018.
Mas os investidores já esperam por isso, de acordo com Michael Hiley, trader da LPS Futures. Ele também observou que grandes aumentos da produção nos EUA e na Líbia - isenta dos cortes da Opep -, bem como a retomada da produção canadense, que foi interrompida no começo do ano, acabam neutralizando os cortes do cartel.
A valorização do dólar ante as rivais observada hoje também prejudicou o petróleo, segundo analistas. Com a divisa americana apreciada, os contratos de petróleo ficam mais caros para investidores de outros países.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia