Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 02 de maio de 2017. Atualizado às 14h26.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Notícia da edição impressa de 02/05/2017. Alterada em 02/05 às 14h29min

O poder de sedução da feira

Affonso Ritter, de Berlim, Alemanha
A Feira Industrial de Hannover, de número 70, que se encerrou na sexta-feira passa, mostrou de novo todo seu poder de sedução, pois os 6.500 expositores receberam 225 mil visitantes, recorde dos últimos anos - sendo 75 mil estrangeiros - e perdendo só para a edição do começo do ano 2000, que recebeu 250 mil. Dos visitantes deste ano, o maior número veio da China, com 9 mil; seguida de Holanda, com 6.200; Índia, 5.300; Polônia, 5 mil; e EUA, 3 mil. O país parceiro foi a Polônia; e na próxima será o México. Mais do que grandes novidades, a feira de 2017 caracterizou-se por melhorias e, segundo muitos, pela consolidação da Indústria 4.0.
A Indústria 4.0
Habitualmente, a Indústria 4.0 tem sido usada como sinônimo de Internet das Coisas (IoT). Não é. A Internet das Coisas é um de seus elementos, que viabiliza a interação entre as máquinas, explica o técnico do Sebrae-RS Fabiano Dallacorte, atento integrante da missão da Fiergs. Além dela, a Indústria 4.0 engloba automação, informação, cliente, gestão do desempenho, análise de dados, interação homem-máquina e máquina-máquina, e a integração de tudo.
Olho para robô
O gerente de P&D do grupo Automatus, de Caxias do Sul, Everton Toigo, dedicou parte da visita à feira ao desempenho dos robôs, que, além dos sensores normais, receberam "olhos". Ocorre que, sem eles, suas dificuldades se parecem com a cegueira humana. Quando, por exemplo, têm que transportar peças em desordem de um lugar a outro. Ou recortá-las com algumas fora do padrão.
Chip de celular
Alguns supermercados de Hannover não venderam chip alemão para celular se o comprador não tivesse conta em banco alemão, o que obrigou os brasileiros a usar o seu, com o custo adicional do roaming internacional.
Obra inacabada
A construção do novo aeroporto Berlim Brandemburgo deve ter se inspirado no Brasil. Ela começou em 2006, a obra deveria ter sido inaugurada em junho de 2012, não foi e, desde então, já teve cinco adiamentos de entrega, e agora ninguém sabe quando vai acontecer.
Exposição internacional de Jardins
Quem vier a Berlim até 15 outubro deste ano deve buscar um tempo para visitar a Exposição Internacional de Jardinagem, que neste domingo de vento gelado recebeu multidões. O projeto foi construído na área em volta dos já existentes Jardins do Mundo, que foi ampliada, englobando outras. Mas seu destaque é uma nova atração para Berlim, um teleférico, que liga um lado do parque ao outro, distância de 1,5 quilômetro. Gôndolas, com capacidade para 10 pessoas cada, transitam suspensas a até 30 metros de altura, chegando ao ponto mais alto, com 102 metros de altitude. Nas suas imediações, há uma plataforma de observação que oferece uma vista a 120 metros de altura, tanto do parque como da cidade.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia